O Seminário Inovação da Gestão Ambiental e de Recursos Hídricos na Bahia, realizado nesta sexta-feira (20), no Fiesta Convention Center, em Salvador, marcou o encerramento do Programa de Desenvolvimento Ambiental (PDA Bahia), executado pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema) e pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Na ocasião, foram apresentados os avanços e desafios da gestão do meio ambiente no estado. A abertura do evento teve a participação do secretário estadual do Meio Ambiente, Geraldo Reis, e da secretária de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM), Julieta Palmeira.

Além das autoridades, o evento reuniu gestores, especialistas, técnicos e estudantes, em torno de mesas temáticas e painéis. “Esse seminário é uma instância de avaliação do encerramento do PDA, que foi um programa financiado pelo BID. Nós estamos aqui com vários especialistas na esfera de gestão de recursos hídricos, revitalização de nascentes, de restauração de florestas. São grandes especialistas em várias áreas que estão aqui se apresentando e estamos, ao mesmo tempo, fazendo esse balanço do quanto foi exitoso, do quanto esse programa pode se tornar referência também para outras experiências e outras iniciativas”, declarou Reis.

O Inema apresentou o resultado dos trabalhos realizados nas bacias e nascentes do estado. “O Inema veio apresentar as experiências que tem com relação aos Comitês de Bacias, que é uma ferramenta importante na gestão das águas e é uma determinação do Governo do Estado. O órgão vem desenvolvendo um trabalho da qualidade das águas de todas essas bacias, na requalificação. Vem fazendo um trabalho também junto com as comunidades, no sentido das bacias das nascentes, dos afluentes, em toda a área da Bahia, principalmente neste momento que estamos vivendo uma crise hídrica sem precedentes”, declarou o chefe de gabinete do órgão, Welton Rocha.

A parceria entre o Governo do Estado e o BID para o PAD – Bahia durou seis anos e deixa um legado. “O BID e o Estado da Bahia têm trabalhado já há muitos anos em diversas áreas do desenvolvimento econômico e social, mas esse programa, em particular, por tratar de gestão hídrica, é de alta importância. Pela fortaleza da Sema e do Inema, eu fico muito tranquila com a sustentabilidade das atividades que a gente começou dentro do programa, que hoje é internalizado nas instituições. Eu tenho uma grande confiança que as sementes que a gente plantou vão crescer, perdurar e tomara que o BID possa ser parte disso no futuro também”, afirmou a chefe de equipe do BID, Annette Killman.

Repórter: Lina Magalí