Os estudantes do Colégio Estadual Mário Augusto Teixeira de Freitas, localizado no bairro de Nazaré, em Salvador, promoveram uma ‘volta no tempo’, nesta quinta-feira (19), durante a Mostra Cultural – Raízes da Literatura Brasileira. A atividade, que envolveu estudantes do 3º ano do Ensino Médio, possibilitou uma releitura, por meio das distintas linguagens artísticas, da Semana de Arte Moderna de 1922.

A atividade enfatizou, especialmente, as influências africana, indígena e europeia nas artes e suas contribuições sociais e culturais para a formação do povo brasileiro. Os estudantes homenagearam personagens emblemáticos da Semana de Arte Moderna, a exemplo de Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade e Mário de Andrade. Alguns se caracterizaram de indígena, africanos e de portugueses. A mostra também envolveu apresentações de dança, de música e roda de capoeira. Também foram promovidos oficinas de turbantes, exposição de máscaras africanas e indígenas, mostra de receitas, recital e poesia e exibição de vídeos.

A iniciativa marca a culminância do projeto que vem sendo realizado em sala de aula durante a unidade, segundo explica a coordenadora do evento e professora de Língua Portuguesa, Margarida Rocha. “Nós aproveitamos o conteúdo da unidade, que é a Semana de Arte Moderna, para fazer com que os alunos percebessem que, a partir deste momento, se passou a valorizar os elementos de identidade nacional, as matrizes africanas e indígenas e as relações delas com a cultura europeia. Então, os estudantes pesquisaram essas matrizes e de que forma elas se reproduziram nas artes e, também, suas origens. Nesse processo, eles tiveram um novo olhar sobre o que foi a Semana de Arte Moderna e construíram esta Mostra Cultural, que se tornou uma produção incrível”, explicou.

A turma de Luana de Andrade, 17, criou, a partir dos estudos, poesias que foram recitadas durante o evento. “Para nossas apresentações criamos três poesias: ´Resistência´, que fala sobre os negros africanos no Brasil; ´Tupinambá´, uma homenagem aos índios e uma para os europeus chamada ´Rastros da colonização´. Também preparamos cenas teatrais enquanto as poesias eram recitadas. Este é um projeto muito interessante voltado para os alunos e com o protagonismo nosso”, comemorou.


Fonte: Ascom/ Secretaria da Educação do Estado