O Provedor da Santa Casa de Misericórdia da Bahia, Roberto Sá Menezes, protocolou junto à Desenbahia solicitação de financiamento para ampliação e modernização do Cemitério Campo Santo. O presidente da Agência de Fomento, Otto Alencar Filho, recebeu, pessoalmente, a Carta Consulta do inovador, projeto de modernização que vai substituir, gradualmente, o atual método de sepultamento e exumação por gavetas com sistema ecológico – um investimento superior a R$ 20 milhões.

O projeto, que já está adequado às exigências do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), prevê a expansão do número de ossuários e gavetas disponibilizadas pelo Campo Santo, com utilização de estrutura vertical, total controle de emissão de gases e eliminação de liberação do necrochorume, líquido composto por água, sais minerais e substancias orgânicas, responsável pela contaminação do solo e aquíferos subterrâneos.

Roberto Sá Menezes esteve na sede da Desenbahia acompanhado do Superintendente de Serviços Corporativos da Santa Casa, Manoelito Souza, além do consultor Cláudio Taboada. Eles fizeram questão de entregar o documento pessoalmente por ser o presidente da Agência, Otto Alencar Filho, também irmão da Santa Casa.

Segundo Otto Alencar Filho, o projeto está sendo analisado e poderá receber recursos da Linha Inovacred na composição do financiamento, porque introduz inovação tecnológica no tratamento dos resíduos. Para evitar a liberação do necrochorume, é realizado controle informatizado de injeção de oxigênio nas gavetas e retirada de metano, através de tubulações, num processo desenvolvido em parceria com uma startup nordestina e que é utilizado com exclusividade pelo Campo Santo na Bahia.

Segundo o Gerente de Negócios da Capital, Sérgio Luiz Matos Silva, o projeto está destinado a ter forte impacto social, porque carneiras e ossuários são utilizadas principalmente pelas classes C e D, enquanto o segmento tradicional utiliza seus mausoléus privados. Novas tecnologias permitem agora a expansão do Campo Santo, evitando a exaustão do cemitério, com a implantação de mais 2.000 mil gavetas e 4.000 ossuários equiparando-se em tecnologia ao Cemitério de Santos (SP), maior cemitério vertical da América Latina.

Fonte: Ascom/Desenbahia