A fim de apoiar o Dia Mundial e Nacional da Osteoporose (20 de outubro), o Planserv -Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Estaduais incentiva seus 505 mil beneficiários a considerarem a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) relacionada ao consumo de cálcio, à prática de exercícios físicos e à exposição ao sol para prevenir a doença. A osteoporose, que significa ‘osso poroso’, atinge uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens no mundo.

De acordo com a nutricionista do Centro de Diabetes e Obesidade (CDO/Planserv), Beatriz Azevedo, entre os alimentos fontes de cálcio, destacam-se o leite e seus derivados; vegetais de cor verde escuro, como brócolis, espinafre e couve; repolho; tofu; alguns peixes, como sardinha e salmão; mariscos, como as ostras; semente de gergelim e amêndoas. “O cálcio, quando consumido na quantidade recomendada, atua na fase de crescimento através do ganho de massa óssea, e, no decorrer da vida, na manutenção dos ossos, além de contribuir para o controle de peso e da pressão arterial e diminuir o risco de osteoporose e fraturas”.

A recomendação de ingestão diária de cálcio varia conforme a faixa etária e o gênero, sendo maior em períodos de rápido crescimento como a infância e a adolescência. Os idosos também devem aumentar o consumo, para a manutenção da massa óssea. Em geral, para um adulto, a recomendação diária de cálcio é de mil miligramas. O cálcio no organismo está armazenado principalmente nos ossos e dentes (99%). O outro 1% está envolvido na regulação da coagulação do sangue, na contração muscular, na regulação dos batimentos cardíacos, da pressão arterial e na transmissão de impulsos nervosos entre os neurônios.

Osteoporose
Foto: Amanda Oliveira/GOVBA

Mais prevenção

A exposição aos raios ultravioletas do tipo B (UVB) na medida certa ativa o funcionamento da vitamina D, fundamental para a absorção do cálcio pelo organismo. “A absorção do cálcio é facilitada pela vitamina D que, para ser absorvida, precisa que a pessoa se exponha ao sol regularmente, ainda que de forma moderada”, ressalta a nutricionista.

O ortopedista João Augusto Cunha Junior também defende a exposição solar como forma de prevenção da osteoporose. “Existe uma variação consensual em relação ao tempo de exposição ao sol, mas uma média de 15 a 20 minutos por dia, de forma regular, é suficiente”. Estudos demonstram que um grande percentual da população apresenta índices deficientes de Vitamina D.

Em relação aos exercícios físicos, os que trabalham diversos grupos musculares e são seguros para as articulações, como o pilates, podem ser recomendados como forma de prevenir a doença. Aqueles que estimulam a contração muscular e a regeneração óssea, como agachamentos, corrida, vôlei, handball e basquete, são outras opções. Em pessoas idosas, a fisioterapia e exercícios de agilidade ajudam no controle do corpo e no equilíbrio. A supervisão de um educador físico é fundamental.

Sobre a doença

A osteoporose se desenvolve de forma imperceptível, sem sintomas ou dor, podendo evoluir durante muitos anos sem qualquer sintoma até a ocorrência de uma fratura, que geralmente ocorre no pulso, na coluna, no quadril, nas costelas, na pelve ou no fêmur, local onde o acometimento é mais grave. De acordo com João Augusto, se não ocorrerem fraturas, a suspeita da doença geralmente surge a partir dos resultados de exames de rotina de sangue e urina, que apontam alterações nos níveis de cálcio e vitamina D. O diagnóstico é confirmado pelo exame de densitometria óssea.

O tratamento da osteoporose inclui o uso de analgésicos para controle das dores e, nos casos mais graves, uma cirurgia pode ser indicada. Algumas mulheres pós menopausadas passam pela terapia de reposição hormonal com estrógeno, que reduz o risco de fraturas. Além disso, a reposição de cálcio e vitamina D por meio de suplementação faz parte do regime terapêutico para a osteoporose, “mas sempre é bom lembrar que toda e qualquer medicação deve ser prescrita por um médico”, destaca o ortopedista. “A reversão da osteoporose não é possível, por isso a prevenção é a melhor opção”.

Fonte: Ascom/Planserv -Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Estaduais