Oficinas, espetáculos, mostras artísticas, exibição de filmes rodas de conversas sobre acessibilidade. Essas atividades serão oferecidas ao público na terceira edição da Semana Cultural Acessível, aberta nesta terça-feira (19) com a audiência pública ‘Acessibilidade Cultural – Dia Nacional do Teatro Acessível’, na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), em Salvador. As atividades vão acontecer, até esta sexta (22), no Espaço Xisto Bahia, localizado na Biblioteca Pública do Estado, no bairro dos Barris, tendo o objetivo de promover o acesso de pessoas com necessidades especiais à produção e ao consumo da cultura.

Setembro é considerado o mês da acessibilidade, pois é quando se comemoram também os dias nacionais do Teatro Acessível (19), de Luta da Pessoa com Deficiência (21) e dos Surdos (26). Para a coordenadora do Espaço Xisto, Ninfa Cunha, a semana tem ajudado a dar mais força e visibilidade ao tema. “É um evento importantíssimo. Durante esses dias, nós vamos promover uma série de atividades para falar de maneiras de tornar a produção cultural mais acessível".

A iniciativa é promovida pelo Governo do Estado, por meio das secretarias de Cultura (Secult) e de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), juntamente com o grupo Perspectivas em Movimento. A programação também consta de debates sobre os principais avanços e necessidades do estado quanto à promoção da acessibilidade na área da cultura.

Acessibilidade Semana
Fotos: Elói Corrêa/GOVBA

“Temos feito um trabalho, sobretudo com o Xisto Bahia, que pretendemos transformar num espaço total e completamente acessível para todas as pessoas com deficiência. Também temos projetos de levar essas melhorias para todo os espaços culturais de responsabilidade do Governo do Estado”, explicou o superintendente dos Direitos da Pessoa com Deficiência da SJDHDS, Alexandre Baroni.

Para a coordenadora da Associação Baiana Para Cultura E Inclusão (Abaci), Cristina Gonçalves, a ação ajuda a criar meios para pessoas sem deficiência também compreenderem a importância em disponibilizar recursos de acessibilidade em todos os meios sociais. “A questão da acessibilidade é para todas – os idosos, as gestantes, pessoas em estado de deficiência. A sociedade precisa ter uma visão mais ampliada dessa inclusão”.

Programação

Nesta quarta (20), às 19h, acontece no Xisto o espetáculo de dança ‘Alice no País da Diversidade’, que conta a história de Alice, uma jovem com Síndrome de Down que cai na toca do coelho e vai parar no País da Diversidade. Os ingressos custam R$10 e R$5. Na quinta (21), às 20h, os grupos AcessibiliTAP e Perspectivas em Movimento convidam o Casulo de Artes Inclusivas. Na ocasião, será apresentado um espetáculo de sapateado estrelado por pessoas com deficiência, explorando todas as potencialidades de seus corpos a partir da dança. Os ingressos têm o mesmo valor.

Para finalizar a programação, a professora Juliana Oliveira ministra a oficina ‘Dança Materna para Mães e Crianças com Microcefalia’, na sexta (22), às 9h. O objetivo da ação é criar um ambiente de leveza e relaxamento por meio da dança, para que essas mães possam se conectar com seus filhos e retornar ao convívio social. A inscrição é gratuita.

Repórter: Tácio Santos