Até 21 de outubro estará aberta no Centro de Artes da Universidade Federal do Recôncavo (CAHL/UFRB), em Cachoeira, a mostra fotográfica e de mídias ‘Dona Dalva e sete memórias: 90 anos de vida e resistência’. A mostra integra as comemorações pelos 90 anos de D. Dalva Damiana, conhecida e respeitada sambadeira e promotora do samba de roda do Recôncavo da Bahia. A mostra foi aberta nesta terça-feira (26) pela manhã. Dona Dalva Damiana é fundadora do Samba de Roda Suerdieck (Cachoeira) e uma das responsáveis pelo reconhecimento do Samba de Roda como Patrimônio Imaterial do Brasil.

Na quarta-feira (27), que é o aniversário de D. Dalva, acontece no mesmo local, o seminário ‘90 anos: vida e obra de D. Dalva’. O evento conta com pesquisadores da UFRB e outras instituições com pesquisas acadêmicas sobre a aniversariante. “Para nós, da área do Patrimônio Cultural, é uma honra participarmos dessa comemoração; a cultura é feita e perpetuada por pessoas como D. Dalva que dedicou a vida a manifestações que trazem a riqueza identitária da Bahia e do Brasil”, destaca o diretor geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), João Carlos de Oliveira. Encerrando as festividades, ocorrerá missa em ação de graças na Igreja Matriz do Rosário de Cachoeira. Às 19h30, samba de roda e o tradicional caruru na Casa de Samba de D. Dalva.

Todos os eventos contam com a parceria do Ipac, Fundação Pedro Calmon, Identidade Brasil, NUDOC, Centro de Memória da Bahia, Pró-reitoria de Extensão/UFRB, Quanta Comunicação e Leite & Alves. A entrada é sempre gratuita. Depois de anos de atuação, a mulher, mãe, avó, ex-trabalhadora da indústria do fumo, sambadeira, compositora e cantora teve seu reconhecimento, ao ganhar o primeiro título de doutora honoris causa concedido pela UFRB.


Fonte: Ascom/ Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)