Referência na área de toxicologia para todo o Nordeste, o Centro Antiveneno da Bahia (Ciave), unidade da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), está completando esta semana 37 anos de funcionamento. Para marcar a data, realiza desta segunda a quinta-feira (28 a 31) a 3ª Semana Estadual de Prevenção das Intoxicações, no auditório centro, que funciona anexo ao Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), no bairro do Cabula, em Salvador. A programação será aberta com um café da manhã e apresentação da história, situação e perspectivas do órgão.

As atividades incluem uma visita de servidores e estagiários do Ciave à sede da Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba), na terça-feira (29), para doar sangue, e a realização, no dia seguinte, do 4º Seminário de Toxicologia, com o objetivo de capacitar profissionais de saúde (emergencistas da rede pública da Região Metropolitana). O evento terá como convidado o professor Francisco França, da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Butantan, que abordará o tema ‘Animais Peçonhentos’.

Também está programada, para quinta (31), uma exposição de animais peçonhentos, plantas tóxicas e outros materiais relacionados às atividades do Ciave, além de distribuição de materiais educativos e divulgação de informações sobre intoxicações em geral, com ênfase nas ações preventivas e primeiros socorros.

Ciave
O Ciave funciona no anexo do HGRS e registra cerca de 16 mil acidentes por animais peçonhentos
(Foto: Elói Corrêa/GOVBA)

Referência no Nordeste

Segundo serviço de toxicologia do País a entrar em funcionamento, o Ciave é responsável pela normatização, regulação e controle de atividades ligadas à toxicologia; orientação toxicológica em geral para prevenção, diagnóstico e tratamento de intoxicações exógenas; atendimento médico de urgência e acompanhamento de pacientes intoxicados; realização de análises toxicológicas de urgência em pacientes atendidos na rede pública de saúde e monitoramento terapêutico de fármacos; manutenção do laboratório de animais peçonhentos e controle e manutenção de bancos de antídotos, entre outras atividades relacionadas à toxicologia.

O serviço conta ainda com o Núcleo de Estudos e Prevenção do Suicídio (Neps), criado em 2007, que, além do acompanhamento psicológico, disponibiliza atendimento psiquiátrico ambulatorial, terapia ocupacional e reuniões informativas para familiares de pacientes que tentaram suicídio. A coordenadora do Núcleo, Soraya Carvalho, diz que o serviço é voltado ao atendimento de pacientes com depressão grave e risco de suicídio. “Atualmente, somos referência na Bahia e também estamos exportando o modelo para outros centros no Brasil”. Destaque também, no Ciave, para o jardim de plantas venenosas, fundamental para identificar as espécies de plantas que causam envenenamento ou algum tipo de intoxicação, garantindo o tratamento adequado às vítimas.

O centro atende cerca de 7.500 ocorrências tóxicas por ano e registra cerca de 16 mil acidentes por animais peçonhentos e três mil casos de intoxicações em geral, por meio de notificações recebidas pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação, ocorridas em todos os municípios da Bahia. Nesses 37 anos de atuação, já capacitou, via estágio, 1.200 estudantes da área de Saúde e mais de 54.600 emergencistas e 15 mil profissionais da área de nível médio.

Fonte: Ascom/Secretaria da Saúde do Estado (Sesab)