Convivendo com um dos períodos mais prolongados de seca dos últimos 100 anos, a população de Vitória da Conquista e de outras 24 localidades foram obrigadas a atravessar um período de racionamento de água para contornar a extrema escassez de chuvas. Apesar do esforço do Governo do Estado, não foi possível evitar o racionamento, mas, graças às ações emergenciais e as grandes obras em andamento na região, a situação hídrica voltou ao normal e a população já pode desfrutar do abastecimento de água com relativa tranquilidade.
O racionamento de água em Vitória da Conquista chega ao fim pela união da regularidade das chuvas nos últimos meses e a entrada em operação da adutora do Rio Gaviãozinho, obra que proporcionou a ampliação de 30% no volume de água destinado ao Sistema Integrado de Abastecimento (SIAA) do município, contribuindo para o reforço do abastecimento de 310 mil habitantes.
Para atingir esse resultado, o Governo do Estado, por meio da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), realizou e ainda vem executando um conjunto de obras para ampliar a capacidade de reservação da região e para enfrentar com mais tranquilidade os períodos de seca prolongada.
A obra complementa o sistema adutor do Rio Catolé nos momentos em que a captação de água esteja comprometida em decorrência da estiagem, o que reduz a vazão do rio. A adutora, que recebeu investimento de R$ 4,4 milhões, prevê captação máxima de 200 litros por segundo e possibilita a recuperação gradativa e a manutenção dos níveis de segurança do sistema de barragens de Água Fria I e II.
Instalada na confluência do Rio Catolé Grande com o Rio Gaviãozinho, a Adutora do Gaviãozinho é constituída por 3,6 quilômetros de tubulações com diâmetro de 400 milímetros, uma estação elevatória equipada com dois conjuntos de bombeamento de 300 cavalos e captação submersa em uma barragem de nível com dois conjuntos de bombeamento de 175 cavalos. 
Outra significativa estratégia montada desde o ano passado pelo governo baiano para que a Barragem de Água Fria 2 atingisse o nível máximo de capacidade foi a realização de melhorias e a ampliação no sistema de captação do Rio Catolé, aumentando a capacidade de armazenamento da barragem de nível e instalando-se mais uma motobomba. Com isso, a vazão bombeada foi ampliada de 300 litros por segundo para 400 litros por segundo, num investimento aproximado de R$ 700 mil, entre obras, instalações e operação do sistema.
Graças a essa operação, a Embasa concentrou o abastecimento do sistema integrado de Vitória da Conquista a partir das águas do Rio Catolé, reservando a barragem de Água Fria 2 para o acúmulo das águas, que se concretizou com as chuvas ocorridas nos últimos meses. A universalização da água e do saneamento básico estão entre as principais metas do Governo do Estado.
Educação
Se saneamento básico e água são metas prioritárias para o Estado, o mesmo pode-se dizer da educação. Nesta área, o governo tem criado novas oportunidades para jovens, seja por meio de estágios, oportunidades de trabalho ou auxílios para cursarem universidades públicas.
Em Conquista, por exemplo, a Educação Profissional formou mil novos jovens, atendendo a um público das cidades de Itambé, Itapetinga, Itororó, Barra do Choça, Cândido Sales e Vitória da Conquista. Com essas ações, o governo muda a realidade de milhares de vidas e amplia as possibilidades profissionais de jovens, melhorando a qualidade de vida da população.
Meio rural
Os agricultores familiares da região também têm sido contemplados com ações do Estado que buscam ampliar a capacidade produtiva, por meio de equipamentos agrícolas e convênio com associações de produtores. Nos últimos meses, foram entregues novas máquinas agrícolas em Vitória da Conquista, Poções, Planalto e Barra do Choça, beneficiando centenas de produtores rurais da região.