Como parte da ação de combate a fraudes na rede distribuidora de água e redução de perdas nos sistemas de abastecimento, uma equipe da Embasa realizou mais uma ação da Operação Burla. Em Paripe, na rua Almirante Tamandaré, foram identificadas ligações clandestinas que estavam abastecendo irregularmente três unidades de um centro comercial, incluindo uma academia, e, na mesma rua, uma outra ligação clandestina utilizada para abastecer um restaurante. A ação foi realizada na última quarta-feira (23), com a presença de policiais militares e do Departamento de Polícia Técnica (DPT).
 
No centro comercial, a Embasa tinha a suspeita de que uma academia estava sendo abastecida irregularmente, pois cortou a ligação de água desde dezembro de 2016. Na operação, foi constatado que havia de fato um ramal clandestino e o responsável pela ligação foi conduzido pela PM à delegacia para prestar os devidos esclarecimentos. O valor total da multa foi de R$ 1.388,40, em função da ligação clandestina e da transferência não autorizada de hidrômetro, além do consumo retroativo referente aos sete meses em que a ligação estava inativa.
 
Na ocasião, os técnicos da empresa descobriram que outros dois imóveis do centro comercial estavam com ligação clandestina. As fraudes foram retiradas. Na mesma rua, foi retirada outra ligação clandestina que abastecia um restaurante. O imóvel está com ligação inativa desde abril de 2015. A Embasa já havia feito outro corte de fornecimento de água em março deste ano. A multa aplicada foi no valor de R$ 8.759,02.
 
A Embasa atua diariamente, com 50 equipes de campo, para identificar e retirar as ligações irregulares em todas as regiões da capital baiana. Além dos casos suspeitos, identificados por meio das análises de consumo e cruzamento de dados no sistema comercial, a empresa conta com o apoio da população, que pode denunciar sigilosamente as situações de fraude pelo 0800 0555 195.
 
Qualquer intervenção no hidrômetro e na rede da empresa com o intuito de furtar água é crime e o infrator está sujeito ao cumprimento das penalidades previstas na legislação vigente. O usuário que estiver nessa situação deve procurar um ponto de atendimento da empresa e regularizar a ligação, evitando problemas e corte no abastecimento do imóvel.
Fonte: Ascom/Embasa