Os estudantes do Colégio Estadual Professor Fábio Araripe Goulart, em Ilhéus, na região Sul, estão desenvolvendo um olhar especial e diferenciado para os manguezais que ficam próximos à unidade escolar. Graças ao projeto “Vivência e Convivências”, o manguezal está servindo como objeto de estudo para os estudantes, que aprendem, durante aulas de campo, sobre as diferentes formas de vida e, principalmente, sobre as formas de conservação e proteção deste rico ecossistema.

A professora Adeline Gomes explica que a atividade visa o despertar dos estudantes para as intervenções que são feitas pelo homem e que ameaçam os manguezais. “A proposta da atividade das disciplinas de Iniciação Cientifica e Humanidades é ir além dos muros da escola. É fazer com que os estudantes reconheçam os problemas no entorno do bairro onde moram, como por exemplo, a destruição da vegetação do mangue, a poluição do rio e as construções irregulares que ali existem”, explica.

A estudante Ana Caroline Rocha, 15, 1º ano, não conhecia o manguezal e fala que a aula de campo proporciona um aprendizado que ela não vai esquecer. “Foi muito bom conhecer o mangue, pois, apesar de ser aqui no bairro nunca tinha visitado. Vi os problemas, os seres que vivem lá e a paisagem do lugar. Aprendi sobre o valor que o mangue tem para o nosso bairro, tanto histórico quanto ambiental, e conversamos sobre iniciativas que devemos tomar e passar para a família e os amigos para a preservação do mangue, do rio e das espécies que vivem ali”, relata.