A Rede de Consumo Seguro e Saúde-Bahia (RCSSBA) alerta a população sobre a necessidade da obrigatoriedade de tampas em ralos de piscinas para evitar acidentes que têm levado a óbito crianças, quando presas pela sucção dos ralos. A Rede, que é formada por órgãos públicos e entidades ligadas aos direitos do consumidor, orienta pais e educadores para a instalação obrigatória de tampas antiaprisionamento. Somente em 2014, três crianças de sete a 10 anos morreram no país, e um acidente grave ocorreu com uma menina, em Salvador.

Para agilizar a adoção das medidas cabíveis, a RCSS decidiu apoiar a aprovação do projeto o projeto de lei 1162/07, que trata da adoção de critérios de segurança em piscinas públicas, privadas e coletivas. O projeto aguarda apreciação no Senado Federal. Entre as ações, o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro), Ministério Público, Defensoria Pública, Universidade Federal da Bahia e demais membros da Rede vão encaminhar carta aberta ao Senado visando o avanço do processo no parlamento. A decisão da Rede foi tomada, em reunião semestral dos seus 30 membros, no último dia 27, na sede do Ibametro, na Pituba.

"É necessário uma maior celeridade na apreciação deste projeto. Ao mesmo tempo, vamos buscar junto a Assembleia Legislativa da Bahia e Câmara Municipal proposições de lei nesse sentido”, afirma o diretor-geral do Ibametro, Randerson Leal. Os membros da RCSSBA vão promover ainda outras iniciativas para mobilização da sociedade e de lideranças políticas, tanto na Capital quanto no interior do Estado.

Dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Piscinas (Anapp) apontam que de 1,8 milhão de piscinas no Brasil apenas 40 mil têm ralos com dispositivos de segurança, apesar destes custarem em torno de R$50.

A RCSSBA é uma articulação de 30 membros, entre órgãos públicos e entidades da sociedade civil, que atua no combate a acidentes de consumo na Bahia.


Fonte: Ascom/ Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro)