Dos 103 projetos apresentados para a quarta seleção pública de 2017 do Edital de Mobilidade Artística e Cultural, 56 foram considerados inscritos e passarão agora pelo crivo da comissão do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA), que fará a avaliação, a partir dos critérios definidos no edital, por meio do qual, os artistas e agentes da cultura podem propor atividades de intercâmbio e difusão cultural – com valor limite de R$ 50 mil – e residência e formação artístico-cultural – R$ 25 mil. Os resultados estão disponíveis no site da Secult.

A seleção envolve recursos de R$ 250 mil do FCBA, linha de fomento voltada para ações que impulsionem a circulação de artistas, técnicos, produtores e obras no país e exterior. A quarta chamada vai permitir o apoio a projetos culturais com atividades previstas de fevereiro a abril de 2018. Dos 56 projetos inscritos, a maioria vem da área de Música (13), seguida de Teatro e Artes visuais (8, cada).
Constam ainda Artes Transversais, Audiovisual, Circo, Dança, Design, Literatura, Livro, Manifestação Cultural, Patrimônio Imaterial, Rádio e Segmentos Integrados. Das propostas, 10 são para a linha de Residência Artística e Cultural; 37 para Intercâmbio e Difusão; e 9 para Residência Artística e Cultural.

O edital de Mobilidade Artística e Cultural tem o objetivo de impulsionar o desenvolvimento das artes e da cultura na Bahia. “A proposta é criar oportunidades para que os bens culturais baianos sejam exportados, promovendo o diálogo intercultural e investindo na formação profissional dos agentes culturais, além de contribuir para o aprofundamento da cooperação artística/cultural nacional e internacional, fortalecendo, em contrapartida, a cena baiana”, afirma o superintendente de Promoção Cultural da Secult, Alexandre Simões.

A Secult proporciona uma Central de Atendimento Integrado para orientar interessados e proponentes, que funciona de segunda a sexta-feira, das 14 às 17h, pelo telefone (71) 3103 3489, e-mail mobilidade@cultura.ba.gov.br ou presencialmente, no endereço Palácio Rio Branco, Praça Thomé de Souza, em Salvado.

Fundo de Cultura

Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é administrado pelas secretarias estaduais de Cultura (Secult) e da Fazenda (Sefaz). O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

O FCBA está estruturado em quatro linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação –‘ Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos’; ‘Eventos Culturais Calendarizados’; ‘Mobilidade Artística e Cultural’ e ‘Editais Setoriais’. Mais detalhes podem ser acessados no site da Secult.

Fonte: Ascom/Secretaria de Cultura do Estado (Secult)