Equipe multidisciplinar e o diretor geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), João Carlos de Oliveira, participam neste domingo (6), às 11h, da inauguração do Museu Costa do Dendê de Cultura Afroindígena, em Cajaíba, no município de Valença, no baixo sul. O espaço é administrado pela comunidade Catuxé, com o apoio do projeto Design Dialógico: Uma Estratégia para Gestão Criativa de Território, do Instituto de Design e Inovação, e os recursos são do Fundo de Cultura, via Edital de Formação e Qualificação em Cultura da Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

O projeto do museu é da estilista Márcia Ganem, lançado em janeiro deste ano, e que pretende potencializar o desenvolvimento sustentável de cinco territórios – Valença, Maraú, Ilha de Itaparica, Saubara e Chapada Diamantina. O espaço será aberto com exposição fotográfica de Almir Bindilatti, que apresenta a diversidade ambiental, arquitetônica, zambiapunga, capoeira, burrinha, marujada, samba-de-roda, quilombos e irmandades negras.

Além de deter os mais importantes museus baianos e ser responsável pela política pública museológica em todo o estado, o Ipac, vinculado à Secult, pesquisa, cria dossiês de proteção e registro para manifestações culturais do zambiapunga, capoeira, marujada e samba de roda. Na região do baixo sul o órgão atua intensamente, “desenvolvemos pesquisas para tornar a manifestação zambiapunga um Bem Imaterial da Bahia. Ela ocorre mais fortemente em Cairu, Nilo Peçanha, Taperoá e Valença, além das localidades de Galeão, Caraíba e Boipeba”, João Carlos. Segundo ele, a tradição é marcada pelo uso de adereços alegóricos – trajes de roupas coloridas e papéis de seda.

Em Cairu, o Ipac faz o Plano Museológico para implantar o Museu do Forte Morro de São Paulo. "A iniciativa é do Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul, que assinou convênio conosco para iniciativas museológicas e patrimoniais", diz João Carlos. O investimento é de R$ 9,2 milhões, via Lei Rouanet/BNDES. O forte pertence a União e está cedido ao Estado, sob responsabilidade da Secretaria de Turismo (Setur). "O IPAC também desenvolve atividades de Educação Patrimonial em Cairu integrando esse grande projeto", ressalta a coordenadora de Editais do órgão, Ana Coelho.

A Costa do Dendê é recorte litorâneo situado entre a foz do Rio Jaguaripe e a Baía de Camamu. São 115 quilômetros dos litorais de Valença, Morro de São Paulo, Boipeba, Igrapiúna, Cairu, Camamu, Taperoá, Nilo Peçanha, Ituberá e Maraú. O museu de Valença fica aberto de segunda à sexta-feira, das 10 às 17h, com ingressos no valor de R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia).

Fonte: Ascom/Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)