As sambadeiras de maior referência para o samba do Recôncavo da Bahia levam a Maragojipe, Muritiba, Conceição do Almeida e Saubara, entre agosto e novembro deste ano, o documentário ‘Mulheres do Samba de Roda’ – com direito a roda de conversa após a exibição –, performance musical e exposição do livro que conta um pouco das suas histórias de vida. Foram selecionadas 16 mestras de 15 localidades baianas (Acupe, Bom Jesus dos Pobres, Cachoeira, Camaçari, Ilha de Vera Cruz, Feira de Santana, Irará, Maragojipe, Santo Amaro, São Francisco do Conde, Saubara, Simões Filho, Teodoro Sampaio, Conceição do Almeida e Cruz das Almas).

A primeira exibição será realizada neste sábado (19), às 10h, na Casa do Samba Dona Cadú (Maragojipe). A partir daí, a mostra segue até novembro, com uma cidade visitada a cada mês – Muritiba (23/09), Conceição do Almeida (21/10) e Saubara (25/11). No documentário, CD e livro – produzidos em 2015 –, além de contarem suas histórias de vida, elas interpretam, pela primeira vez, sambas favoritos. As obras, em seu conjunto, demonstram a ampla inserção social das sambadeiras.

Sambadeiras
Marisqueiras, agricultoras, comerciantes mostram suas histórias de vida, interpretando samba favoritos.
(Foto: Ascom/Secult)

Elas retratam os seus saberes e protagonismo no enfrentamento de toda forma de violência contra a mulher e a conquista do direito de se expressar, de ter renda própria, saúde, educação. São mulheres marisqueiras, agricultoras, comerciantes, que imprimiram sua marca na estética e na política da cultura popular do Recôncavo, por meio do samba e de manifestações culturais como os ternos de Reis, terno do acarajé, cheganças, maculelê, capoeira, ranchos, candomblé, entre outras.

Para a coordenadora do projeto, Luciana Barreto, registrar e fazer circular esses conhecimentos, permite o aprendizado de práticas e saberes populares de matriz africana, além de sua permanência e transformação no seio da comunidade afrodescendente de sambadores e sambadeiras. “As mulheres sambadeiras têm um entendimento amplo da vida, não se prendem ao sambar. Elas nos surpreendem com seus depoimentos sobre os mais diversos temas em pauta na sociedade”.
O projeto Circulando com as Mulheres do Samba é realizado por meio da parceria cultural da Rede do Samba de Roda do Recôncavo Baiano, Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Recôncavo da Bahia e Associação Chegança dos Marujos Fragata Brasileira.

Fundo de Cultura

Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é administrad pelas secretarias estaduais de Cultura (Secult) e da Fazenda (Sefaz). O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em quatro linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação –‘ Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos’; ‘Eventos Culturais Calendarizados’; ‘Mobilidade Artística e Cultural’ e ‘Editais Setoriais’. Mais detalhes podem ser acessados no site da Secult.

Fonte: Ascom/Secretaria de Cultura do Estado ( Secult)