Uma série de entrevistas e gravações com artistas circenses para filmagens referentes à campanha de valorização ao circo foi iniciada esta semana pelo Núcleo de Artes Circenses, da Diretoria das Artes (Dirart) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb). “A ação tem o objetivo de dar visibilidade a esses artistas e fomentar a valorização ao circo”, explica a coordenadora do NAC, Vika Mennezes,

A primeira gravação aconteceu n segunda-feira (15), Diretoria de Audiovisual (Dimas) Funceb, no localizada no bairro dos Barris, em Salvador. Luiz Milton Lago, conhecido como ‘Palhaço Chupeta’, foi o entrevistado. Ele falou sobre sua trajetória artística e o Circo Dallas, que fundou em 1977. Ao final das gravações com os entrevistados da série, pílulas serão publicizadas nas mídias digitais institucionais.

Palhaço Chupeta
Luiz Milton Lago, conhecido como ‘Palhaço Chupeta’, fundador do Circo Dallas.
(Foto: Ascom/Funceb)

Nascido em 1943 em Catu, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), Luiz Milton já trabalhava, aos 14 anos de idade, como locutor de touradas. Aos 16, começou a atuar no Circo Pinga Fogo, onde, além de apresentar e fazer números cômicos, participou de peças teatrais na segunda parte do espetáculo. Dez anos depois, conheceu sua atual esposa, filhas do dono do circo Irajá. Casaram-se em 1977 compraram uma lona de circo e montaram o Circo Dallas.

Há 57 anos o ‘Palhaço Chupeta’ se dedica as atividades relacionadas às artes circenses. Sua biografia, de autoria de Aléxis Góis, ‘Palhaço Chupeta: História e causos sob a lona do Circo Dallas’, foi publicado em 2012, com o apoio da Funarte – Prêmio Carequinha de Estímulo ao Circo. Atualmente, ele é membro titular do Colegiado Setorial de Circo da Bahia.

Fonte: Ascom/Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb)