Cento e oitenta gestores das unidades escolares da rede estadual que oferecem Educação do Campo estão participando, até esta quinta-feira (13), no município de Feira de Santana, de uma formação na área. O evento acontece no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães e no Instituto de Educação Gastão Guimarães, com a participação também de coordenadores pedagógicos dos Núcleos Territoriais de Educação (NTEs).

Este é o segundo módulo do curso e, com a atividade, os gestores participantes irão repensar o currículo e o Projeto Político Pedagógico (PP) das unidades escolares em que atuam, no sentido de contribuir para o fortalecimento da modalidade. “Este encontro é essencial para os gestores, pois estão adquirindo novos conhecimentos teóricos e práticos voltados à implementação de uma gestão embasada nas concepções participativas e democráticas da Educação do Campo”, explica a técnica da Coordenação de Educação do Campo da Secretaria da Educação do Estado, Cássia Margarete dos Santos.

Educação no Campo
Foto: Ascom/Educação

Para a diretora Márcia Maria de Oliveira Almeida, do Colégio Estadual Antônio Carlos Magalhães, localizado na cidade de Antônio Cardoso, no centro norte do estado, a formação é muito importante. “A Escola do Campo tem a função de educar para além dos muros da escola e, por isso, deve-se estender a escola para a comunidade e romper com os isolamentos históricos. É preciso pensar a Escola do Campo como um sistema, em rede, com olhares contemplando diversas dimensões, buscando atender as diferentes demandas, de acordo com cada especificidade”. O diretor do Colégio Estadual João Baptista Carneiro, localizado no distrito de Ituaçu (centro sul), Sérgio Andrade Garrido, acredita que a formação “é uma forma de compreender a identidade cultural, buscando a transformação social para as crianças, jovens e adultos do Campo Brasileiro”.

Na Bahia, a Educação no Campo está presente nos 417 municípios baianos, em 705 escolas e 595 anexos. Entre as ações desenvolvidas destacam-se a formação de professores dos anos iniciais do ensino fundamental das escolas do campo; implantação do Programa de Bibliotecas Rurais – Arca das Letras; Programa Estadual de Apoio Técnico Financeiro às Escolas Famílias Agrícolas (EFAs) e formação de professores que atuam em escolas/classes multisseriadas – Pronacampo/Escola da Terra e outras.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado