O resultado dos experimentos práticos dá a tônica da V Feira de Cultura, Ciência e Saúde (Fecisa), protagonizada pelos estudantes do 3º ano do Ensino Médio do Colégio Estadual Ruy José de Almeida, no município de Laje (a 150 quilômetros de Salvador), no centro-sul baiano. A ação, que iniciou nesta quarta-feira (12) e prossegue até sexta (14), envolve apresentações de trabalhos oriundos de projetos de pesquisa, oficinas, palestras, apresentações artísticas culturais e exposição de experiências. A iniciativa busca possibilitar o intercâmbio e a socialização de conhecimentos, integrando a escola e a comunidade.

A feira traz apresentações temáticas, a exemplo de educação como veículo de mudança, mulher (mercado de trabalho, empoderamento feminino, violência); água e energia; ética e cidadania; orgulho de ser nordestino e ciências e tecnologia. Neste primeiro dia da V Fecisa, as salas temáticas foram preparadas para receber os visitantes, que são guiados por membros da equipe. Na quinta-feira (13), acontecem as oficinas temáticas – xadrez, capoeira, cabelo, produção artesanal, musicoterapia, treino funcional, culinária e orientação vocacional –, das quais poderão participar todos os estudantes. No terceiro e último dia, as equipes apresentarão os seus respectivos temas para os colegas dos 1º e 2º anos do Ensino Médio.

O estudante Jailton Santos, 17, fala da importância do trabalho para a sua vida escolar e pessoal. “Foi muito interessante o processo de pesquisa. Conhecemos a realidade das raspadeiras de mandioca, no Vale de Jiquiriçá, que representam a cultura daquele lugar e são mulheres que, além da lida diária fora de casa, ainda têm o terceiro turno quando cumprem o papel de mãe, dona de casa e esposa. Homenageá-las e falar de questões contemporâneas que as envolvem foram ações que me enriqueceram bastante”, afirma o aluno.

A colega Jusicleide Silva, 17, que se envolveu com o tema da água e energia, fala com orgulho sobre a participação na feira. “Este projeto nos mostrou aspectos muito importantes ligados ao tema, a exemplo da seca no Nordeste, do valor da água, da situação hídrica da Bahia, da escassez e do desperdício de água, a poluição das águas dos rios. Pesquisar estes temas e ir a campo me trouxe mais consciência, mostrando o quanto, hoje, é imprescindível que saibamos o significado dos 5 R: repensar, reduzir, recusar, reutilizar e reciclar”.

A diretora Gildeny de Andrade fala sobre a importância da Fecisa para a comunidade escolar. “A feira se constitui em um marco para o desenvolvimento e consolidação da pesquisa no âmbito da unidade escolar, com destaque para a valorização da Ciência e da Cultura. Para a sua realização, partimos da visão sobre a necessidade da prática através da pesquisa, que traz diferentes concepções sobre os temas abordados”. Ainda conforme a gestora, o projeto tem como principal objetivo integrar a comunidade externa, incluindo estudantes das escolas municipais (que estão visitando a feira) com a comunidade escolar, para que, em conjunto, possam elaborar teorias e hipóteses a partir de experimentos práticos.

Fonte: Ascom/Educação