A cantora e compositora Marina Lima foi a atração principal da abertura da temporada 2017 do projeto Mulher com a Palavra, que, pelo segundo ano, leva ao palco do Teatro Castro Alves (TCA, a discussão de assuntos referentes ao empoderamento feminino. Na primeira edição desta temporada, que aconteceu na noite da segunda-feira (29), o debate girou em torno do tema ‘Atitude Feminina e Liberdade Sexual’. "Nesse momento de muita coisa acontecendo, muita mudança e de empoderamento da mulher também, acho que é um momento bom para falar sobre isso. A minha visão pode ajudar muitas pessoas", disse a artista de 61 anos, consagrada como um dos maiores nomes do pop-rock nacional.

O projeto é uma parceria da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Estado (SPM) e da Maré Produções Culturais, com patrocínio da Bahiagás. Em 2017, o “Mulher com a Palavra” tem como proposta a inspiração para a transformação. "Nós já trouxemos aqui mulheres que têm muito a dizer e que pela sua atitude diante da vida representam a ideia de que as mulheres precisam se libertar, lutar contra o machismo porque, na essência, isso é o que afeta a vida das mulheres" disse a secretária Julieta Palmeira. Para este ano estão previstas quatro edições, com atrações a confirmar. Em 2016, o projeto contou com a participação de Elza Soares, Zélia Duncan, Preta Gil, MC Carol, entre outras.

Mulher com a Palavra
(Foto: Paula Fróes/GOVBA)

Mediadora do evento, a jornalista Rita Batista falou sobre a importância de debater o empoderamento feminino. "Eu sou fã do Mulher com a Palavra, participei, efetivamente, tanto como público, na plateia do TCA, como também tive a oportunidade de participar como mediadora", comemora Rita, que estará presente em todas as edições do segundo ano. "É um momento de aprendizado, de trocar ideias, de a gente ter aquele exemplo também, é alguma coisa que a gente está pensando em não fazer, aí quando a gente ouve da boca de uma mulher que já chegou no topo e ainda quer mais, a gente se encoraja, se empodera mesmo", completa a jornalista.

O projeto foi idealizado pela atual secretária estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Olívia Santana, que participou de um rito de passagem simbólica do projeto para Julieta Palmeira. "O mais importante é a continuidade desse projeto. Ele nasceu na nossa gestão, foi uma ideia que nós tivemos no sentido de alcançar um público mais amplo. Eu não queria ficar falando apenas para as mulheres feministas orgânicas, que atuam no movimento social, eu queria também que outros públicos pudessem acessar o debate sobre relações de gênero", explicou Olívia, que disse estar feliz com a continuidade do projeto pela nova gestora. "A secretária Julieta Palmeira assumiu com muita competência essa secretaria e está colocando para frente esse projeto, porque a palavra transforma"

Os ingressos da primeira edição desta nova temporada esgotaram. A assistente social Martha Silva foi ao Mulher com a Palavra pela primeira vez, atraída pela oportunidade de dialogar sobre o feminismo. "Precisamos, enquanto mulheres, nos unir, debater esses temas, conversar sobre gênero, a gente não pode ficar de fora dessas rodas", afirmou Martha. A funcionária pública Edna Santos também não tinha participado de nenhuma edição. "O momento é para a gente debater e o evento é muito propício para isso”, disse Edna, preocupada com a atual situação do País.

Repórter: Lina Magali