Em abril, o Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego Renda e Esporte (Setre), vai lançar um edital para a atividade de comercialização da produção artesanal baiana. A informação foi divulgada durante o X Encontro de Artesãs e Artesãos da Bahia, realizado nesta quinta-feira (23), no Museu Geológico da Bahia, no Corredor da Vitória, em Salvador, e festejada por cerca de 200 artesãs e artesãos presentes ao evento.
O edital, no valor de R$ 500 mil, prevê a seleção de uma Organização da Sociedade Civil (OSC) que, em sistema de consignação, será responsável por comercializar a produção artesanal de associações e grupos de artesanato do estado na antiga sede do antigo Instituto Mauá, no Porta da Barra, e em uma loja no Mercado do Rio Vermelho (Ceasinha). “É uma ótima notícia, principalmente nesse momento de crise econômica que vive o país. O artesanato é a principal ou única fonte de renda de muitas famílias, especialmente no interior do estado”, comemora a tecelã Meire Cabral.
Realizado pela Setre, por meio da Coordenação de Fomento ao Artesanato, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Bahia (Sebrae-BA), o encontro promoveu a integração de artesãs e artesãos das mais variadas localidades da Bahia e a discussão de ações para preservar e valorizar o segmento.
 
“O turista quer levar um pedacinho da Bahia e as pessoas decoram suas casas com peças de artesanato. Por isso é importante espaços para o escoamento da produção do nosso artesanato, um dos principais gargalos do segmento”, ressaltou a secretária do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Olívia Santana, sobre o lançamento do edital.
 
O secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes, também destacou a importância do artesanato para a economia baiana. “É nosso dever apoiar esse segmento, esse edital é mais uma ferramenta de fomento ao nosso artesanato”.
Termo de cooperação 
Na oportunidade, um Termo de Cooperação Técnica foi assinado entre a Setre e a Universidade Federal da Bahia (Ufba), com o objetivo de delimitar a área geográfica pertencente às comunidades de Maragogipinho/Aratuípe (cerâmica) e Saubara (renda de bilro), visando o registro de marca da produção coletiva dessas localidades junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), contribuindo para a valorização e resgate do artesanato local.
A secretária de Políticas para Mulheres, Julieta Palmeira; o vice-reitor da Ufba, Paulo Miguez; a coordenadora de Fomento ao Artesanato da Setre, Emília Almeida; e o diretor-geral do Ibametro, Randerson Leal, também participaram do evento. 
Fonte: Ascom/Setre