Debater a importância de se construir uma sociedade com relações de equidade entre os gêneros. Nesta perspectiva, cerca de mil estudantes do Colégio Estadual Odorico Tavares, no Corredor da Vitória, em Salvador, participaram, nesta quarta-feira (8), de atividades para promover o Dia Internacional da Mulher. No interior a mobilização também ocorreu em diversas escolas.
Entre as ações no Odorico Tavares, destaque para palestras sobre a luta e resistência feminina, a mulher na ciência, além de apresentações musicais de estudantes da unidade e do coral dos Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (Neojiba). 
“A discussão sobre as mulheres é debatida durante todo o ano letivo no Odorico Tavares, principalmente na área de Humanas. Falamos sobre a condição feminina, a necessidade de valorização das mulheres e o combate à violência. Também utilizamos os projetos estruturantes da Secretaria da Educação para auxiliar a temática na produção de poesias, músicas e artes visuais. Esse momento agora é de potencializar o assunto", explicou a professora de História e organizadora do projeto, Luciana Mendes. 
Foto: Divulgação
Entre as ações no Colégio Odorico Tavares, destaque para apresentação do Neojiba 
(Foto: Divulgação)
No Colégio Estadual de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, os estudantes realizaram ato público, com caminhada pelas ruas da cidade em celebração ao Dia Internacional da Mulher. Também no Centro Territorial de Educação Profissional de Irecê, no centro norte da Bahia, diversas ações foram realizadas, entre elas, palestras, debates e informações sobre a saúde da mulher.
Ações institucionais
Na Secretaria da Educação do Estado, em Salvador, a programação incluiu uma apresentação do Coral da Polícia Militar da Bahia e do show ‘Mulheres Que Cantam’, com a cantora Lane Quinto. Na ocasião, o secretário da pasta, Walter Pinheiro, homenageou todas as mulheres da instituição e lembrou do início de sua trajetória política, quando presidiu a Comissão Defesa dos Direitos da Mulher, na Câmara Municipal de Salvador, em 1993.
“O dia 8, apesar de ter a sua marca e referência centrada numa luta, é importante destacar que, na realidade, o dia da mulher é todo dia. São mulheres guerreiras, trabalhadoras, educadoras, que têm a capacidade de se reinventar e de também transformar a sociedade”, ressaltou o secretário.
Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado