Das empresas aprovadas pela última rodada do Programa Bahia Capital Empreendedor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) 26,3% são startups, que foram ou são incubadas do Parque Tecnológico da Bahia, localizado na Avenida Paralela, em Salvador. O resultado foi divulgado esta semana e as empresas responsáveis pelos projetos vencedores estão sendo notificadas.

A Bahia é o primeiro estado a receber a iniciativa, que pré-selecionou 40 projetos. Destes, 19 foram aprovados, sendo cinco desenvolvidos por startups apoiadas pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado (Secti), por meio da Áity Incubadora do Parque – Viva Inovação, Engpiso, MH2, MDS e MK. As duas últimas não estão mais instaladas no centro de convergência de inovação baiana.

Nesta primeira etapa experimental do programa, as entidades selecionadas vão passar por um processo de qualificação, a fim de prepará-las para atrair investidores. O aprimoramento pelo Bahia Capital Empreendedor se dá por intermédio de encontros com especialistas, da adequação de modelos de negócios e da realização dos circuitos de negociação. A metodologia do processo foi orientada pelo Sebrae e desenvolvida, a partir de uma consultoria com o Instituto Anjos do Brasil.

Apoiam a ação, além da Secti, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), o Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio). “Esse tipo de iniciativa, aliada ao apoio oferecido pela Incubadora do Parque, acelera a estruturação do modelo de negócio, no momento em que dá um passo a mais, viabilizando a captação de recursos para os empreendimentos de base tecnológica”, avalia o coordenador da Áity, Antônio Rocha.

Fonte: Ascom/Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado (Secti)