De foliã para delegada. Essa foi a grande mudança para Marcele Guerra no Carnaval de 2017. “Sempre saí no Carnaval. Sempre gostei muito, mas agora estou em outra posição. Foi a profissão que escolhi e sei da importância do meu trabalho para o sucesso da festa”, afirma a delegada, que integra o grupo de profissionais contratados no ano passado para reforçar o efetivo da Polícia Civil e que está atuando pela primeira vez na folia de Momo.
Lotada na Central de Flagrantes da Praça Castro Alves, a delegada comenta que é o Carnaval tem sido uma grande oportunidade para ter um maior contato com o cidadão. “Vejo um forte esquema de segurança montado e, além disso, a turma nova está muito animada, pronta para prestar o melhor serviço para a sociedade”, acrescentou Guerra, lotada na Delegacia Territorial de Mata de São João.
Para Tiago Ferreira da Silva este Carnaval está sendo especial, depois de trabalhar como perito técnico por nove anos na Coordenação de Toxicologia Forense do Laboratório Central de Polícia Técnica. Agora, como perito criminal, ele teve a oportunidade de atuar sob novas perspectivas. “Embora já conheça o trabalho, ainda assim está sendo diferente, estamos exercendo uma criminalística dinâmica”, explica Ferreira, servindo na Coordenadoria de Porto Seguro e integrante de um grupo de 21 peritos (entre técnicos, criminais e odonto legais) que veio para Salvador reforçar o efetivo do DPT durante a festa.
Atuando na Delegacia Territorial de Piatã, o investigador Islan Henrique Barreto está trabalhando, até a Quarta-Feira de Cinzas, na 14ª DT, na Barra. “Apesar de já conhecer a estrutura da festa, pois já fui funcionário da Prefeitura de Salvador, a área policial é bem específica. O Governo do Estado montou um grande aparato de segurança pública e nós, novos servidores policiais, temos que cumprir nossa parte”, destaca Barreto, lembrando que a troca de experiências com o pessoal com mais tempo de casa tem ajudado muito. “Uma coisa é a teoria, outra é a prática, principalmente num Carnaval como o de Salvador". 
Fonte: Ascom/SSP