Dois meses após a visita do governador Rui Costa à Rua São José, região onde cresceu no bairro da Liberdade, para autorizar a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder) a iniciar a obra de contenção da encosta, o cenário está completamente modificado. A rotina no local é marcada pelo movimento constante de caçambas, máquinas e operários, responsáveis pelo trabalho que vai garantir a estabilização de um paredão de aproximadamente 45 metros de altura e 500 metros de extensão.
Aos poucos, as lembranças da tragédia que ceifou quatro vidas, após os deslizamentos de terra registrados durante as fortes chuvas que castigaram Salvador, em 2015, vão dando lugar a esperança em viver dias melhores e mais tranquilos. Quem acompanha o processo desde o início é o líder comunitário Givanildo da Paixão, que destaca a expectativa de quem vive na região. “Desde o acidente, era um sonho pra gente ver essa obra acontecendo. Vai dar segurança para quem mora na parte baixa. Como temos muitos desempregados, também será uma boa oportunidade de trabalho.”
De acordo com o superintendente da Diretoria de Habitação e Urbanização Integrada da Conder, Cláudio Torres, o investimento de R$ 20 milhões do Ministério da Integração Nacional para a Rua São José é o maior dentro do programa realizado pelo Governo do Estado. Mais cinco encostas em Salvador e três em Candeias, que também tiveram ocorrências de deslizamentos, serão contempladas com obras de contenção. O superintendente lembra ainda que mais R$ 156 milhões foram captados junto ao Ministério das Cidades para a execução de serviços em outras 98 áreas de risco alto ou muito alto e complementados por contrapartida estadual.
Foto: Lucas Pondé/Conder
(Foto: Lucas Pondé/Conder)
“Existe um trabalho muito criterioso que antecede a execução das obras, que é o da realização de estudos e diversos testes que oferecem os elementos necessários para a elaboração dos projetos executivos. Esta área foi dividida em 17 painéis, que serão estabilizados por etapas com a combinação de diferentes técnicas, como, por exemplo, cortina atirantada e solo grampeado”, explica Torres.
Limpeza da área
Antes mesmo de ser iniciada a perfuração do primeiro trecho da encosta para a implantação dos tirantes (ferros) que garantirão a sustentação, foi realizado um trabalho intenso de limpeza da área, denominado bota-fora. Até o momento, foi retirado do primeiro trecho em execução 3 mil metros cúbicos de material, como terra, lixo e vegetação – o equivalente a 300 caçambas. 
Entre os objetos descartados pela população de forma inapropriada estão restos de móveis e eletrodomésticos. Por esta razão, a Conder também desenvolve ações de conscientização e mobilização da comunidade para o acompanhamento da obra, bem como atividades para estimular a educação sócio-ambiental, com o objetivo de assegurar uma melhor qualidade de vida aos moradores. 

Fonte: Ascom/Conder