O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) apresenta, nesta segunda-feira (30), o projeto de dinamização de espaços estaduais em Salvador e interior do estado a empresários e produtores culturais, às 21h, na Praça das Artes, no Pelourinho. Na ocasião, acontece ensaio do bloco Cortejo Afro com a participação da cantora Daniela Mercury.

A ideia para a segunda-feira é que empresários e produtores culturais conheçam, com detalhamento, os espaços do Ipac que estão abertos às parcerias público-privadas para revitalização, e assistam o Cortejo e Daniela Mercury para que vejam o projeto bem-sucedido da ocupação da Praça das Artes. Os convidados receberão uma publicação em que estão todos os dados e fotos dos espaços do IPAC, no interior e capital. Os ensaios do Cortejo ainda terão como convidados Luiz Melodia e Gilberto Gil que está sendo homenageado pelo bloco nestes ensaios e no Carnaval 2017.

O projeto de revitalização de espaços do Ipac começou no ano passado com a reabertura do Passeio Público em setembro. Em outubro, o Governo do Estado restaurou e abriu três estacionamentos no Pelourinho aumentando para 356 vagas oferecidas na área. Em novembro, o Instituto fez parceria com o Cortejo Afro para ocupação da Praça das Artes. As parcerias do Ipac podem provocar requalificações físico-urbanas destes espaços, o bem-estar de baianos e turistas, o dinamismo da economia local e a geração de emprego e renda para a população envolvida.

“Na primavera de 2016, por exemplo, graças a estas parcerias, conseguimos a doação de 250 mudas de árvores para os museus e áreas verdes do IPAC”, comemora o diretor geral do Ipac João Carlos de Oliveira.

A Praça das Artes detém 1,5 mil metros quadrados de área e capacidade para cerca de 1,5 mil pessoas, mas esteve em desuso por muito tempo. “Temos que pensar essas áreas como estratégicas para a cidade, tornando-as acessíveis, confortáveis, seguras e com serviços que atendam baianos e turistas, com parâmetros técnicos que respeitem o patrimônio edificado”, afirma João Carlos de Oliveira.

Fonte: Ascom/ Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)