A Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), que acontece desta quinta-feira a domingo (13 a 16), será palco para diversas ações ligadas à leitura que se entrelacem com outras linguagens. Durante o evento haverá lançamentos e estreias de novas iniciativas, a exemplo da inauguração do projeto ‘O Violão e a Palavra’, da Fundação Pedro Calmon (FPC), unidade da Secretaria de Cultura do Estado (Secult). A ideia é unir a leitura, a memória e a música em uma espécie de encontro cantado, no sábado (15), às 18h, no Anfiteatro de Cachoeira.

O projeto integra a estratégia da FPC de aliar atividades de estímulo e sensibilização do público em geral e a população jovem, em particular, para a leitura e a escrita. As atividades serão abertas ao público. Nesta estreia, serão convidados o professor, compositor e secretário estadual de Cultura, Jorge Portugal, e o cantor, compositor e pesquisador da música baiana, Roberto Mendes, que falarão dos meios de composição da música popular, das métricas à melodia, com mediação do mestre em Filosofia, Saulo Matias Dourado.

Roberto Mendes é natural de Santo Amaro, conterrâneo de Jorge Portugal, com quem já atuou no grupo Sangue e Raça, em 1972, início de sua carreira. Tem mais de 100 músicas em sua trajetória e com Portugal já dividiu a autoria de canções como ‘Só se vê na Bahia’, ‘A Beira e o Mar’. No encontro, a música conduzirá o diálogo cantado, transversalizando com a literatura, de modo a estimular o interesse do público, principalmente, do jovem leitor/escritor, para o conhecimento de obras da literatura baiana.

O projeto ‘Violão e a Palavra’ continua depois da Flica, apresentando convidados especiais para os espaços administrados pela Fundação, em especial as Bibliotecas Públicas. A programação completa da FPC está disponível no site institucional.

Fonte: Ascom Fundação Pedro Calmon (FPC)