Tanto nas aulas teóricas de sua disciplina, como na orientação de projetos fora da sala de aula, a professora de Biologia, Cristiane Ribeiro, do Colégio Estadual César Borges, no município de Valente (a 239 quilômetros de Salvador), atrai uma legião de fãs. Seus alunos a consideram ‘massa’ pela dedicação ao ofício, mas, sobretudo, pela sua competência de fazer com que o processo de ensino e aprendizagem seja prazeroso e promova inclusão social e sustentabilidade, gerando nos estudantes uma consciência mais ampla de cidadania. Por isto, neste mês em que se celebra o Dia do Professor (15 de outubro), a professora Cristiane é uma das homenageadas pela comunidade escolar.

O resultado desta relação de admiração e confiança é o grande envolvimento dos estudantes nos trabalhos pedagógicos propostos pela professora. Um exemplo é o projeto ‘Motor Dance: Um fomento à prática da dança e exercício físico aos alunos com necessidades especiais’. O projeto – que conquistou, neste ano, o primeiro lugar na categoria Ciências Exatas e Engenharia, na Feira de Ciências da Bahia (Feciba), promovida pela Secretaria da Educação do Estado, é baseado nos princípios da engenharia e da sustentabilidade.

Para criar o Motor Dance – um tapete de dança que vem sendo utilizado por crianças com necessidades especiais da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) –, os estudantes reutilizaram pneus, madeiras, papel alumínio, fios de cobre e controles de videogames. A estudante Gleice Elen da Silva, 17 anos, 3º ano, conta que, graças à coordenação da professora Cristiane, os estudantes envolvidos no projeto puderam ajudar as pessoas com necessidades especiais a desenvolverem o raciocínio e o aparelho motor.

Professora
(Foto: Ascom/Educação)

“Foi um trabalho muito gratificante e que nos deixou muito felizes pelo sucesso que obtivemos junto aos alunos do Apae e pelo reconhecimento da Feciba. Devemos tudo isto à professora Cristina, que sempre nos apoiou e orientou com muita garra e abnegação, doando horas além da sua carga horária na escola para nos ajudar nas pesquisas e na teoria do conteúdo. Inclusive, se temos hoje um bom conhecimento de Biologia é graças a ela”, enaltece a aluna.

Ilana Macedo, 16 anos, 2º ano, conta que o seu envolvimento com o projeto ‘Voice Amplifier: amplificador de voz de baixo custo para professores da rede pública de ensino’, também orientado pela professora Cristiane, lhe permitiu uma grata experiência. Ela conta: “É muito interessante trabalhar em projetos que abordam a sustentabilidade como foco porque nos conscientizam, como foi o caso deste, através do qual montamos um microfone para o auxílio do professor em sala de aula, a partir de sucatas, como transmissor veicular de carro e caixa de som, que estavam inutilizados”, detalha, destacando o interesse da docente em “fazer com que os alunos ganhem conhecimento e evoluam como estudantes e cidadãos”.

Gratidão

A professora Cristiane Ribeiro se sente lisonjeada com o carinho e a cumplicidade dos seus alunos, mas considera que o sucesso dos projetos se dá por causa da dedicação dos estudantes a temas importantes, como o da sustentabilidade e da inclusão social. “Os alunos da rede são muito interessados em projetos voltados ao bem social, à inclusão de pessoas que possam estar excluídas socialmente. E, para eles, o mais importante é o resultado da experiência que, no caso do Motor Dance, foi muito positivo. Eles constataram o bom empenho dos alunos do Apae que participaram do projeto”.

Quanto ao ofício de professora, ela é contundente. “São os nossos alunos que nos estimulam. Ver que estamos contribuindo para o seu desenvolvimento intelectual, vê-los investigativos e protagonistas do seu saber são situações muito gratificantes”, comemora.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado