Dando continuidade a uma série de palestras sobre as memórias contemporâneas da cultura e a política na Bahia, o Conversando com a sua História (CSH) – projeto do Centro de Memória da Bahia – vinculado à Fundação Pedro Calmon/ SecultBA, retornará, às segundas-feiras, na Biblioteca Pública do Estado da Bahia, conhecida como Biblioteca dos Barris. Os debates serão protagonizados com personagens e pesquisadores que abordam a influência de instituições educacionais e culturais na formação do campo cultural e artístico baiano da segunda metade do século XX.

Na segunda-feira (24), às 17h, o CSH será sobre o Teatro na Bahia. A mesa tratará da trajetória da arte nas últimas quatro décadas, relatada pelos olhares de atores e diretores que foram atuantes na época. Reflexões sobre as mudanças no campo teatral nesse período serão abordadas pela atriz, escritora, bibliotecária, jornalista e empresária, Sonia Robatto. Ela que foi aluna da primeira turma da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia (Ufba), onde atuou em espetáculos como “As três irmãs”, “A Almanjarra” e “A Via Sacra”. Em 2001, sua obra mais importante, “Pé de Guerra”, foi adaptada para o teatro por Márcio Meireles e recebeu o prêmio Copene de melhor montagem de 2001.

O diretor teatral, cenógrafo e figurinista, Márcio Meirelles, também participará deste debate. Márcio foi diretor do Teatro Castro Alves e, em 1990, ao lado de Chica Carelli, criou – e dirige até hoje – o Bando de Teatro Olodum. Entre 2007 e 2010 foi secretário de Cultura do Estado da Bahia e, em julho de 2011, assumiu a direção artística do Teatro Vila Velha, onde criou, em 2013, a Universidade Livre para formação de artistas alinhados com a estética, os processos e a política praticados no Teatro.

O terceiro convidado para a mesa de debates é o ensaísta e pesquisador da cultura negra, artista plástico, ator, diretor e produtor de espetáculos de Teatro, Dança, Música e Cinema, Antônio Godi. Estudou na Escola de Belas Artes da UFBA e formou-se ator e diretor teatral na mesma instituição. Godi é mestre em Ciências Sociais e em Comunicação e Culturas Contemporâneas, além professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Em 1976 criou o Grupo de Teatro Palmares Iñaron – Teatro, Raça e Posição, que se inspirava nas questões étnicas, sociais e culturais e ajudou a estabelecer reflexões poderosas sobre a construção de uma identidade étnica e social num contexto, pós-ditadura, marcado por perseguições e censuras.

CMB

O Centro de Memória da Bahia (CMB), unidade da Fundação Pedro Calmon (FPC), da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), tem como objetivo a difusão da história da Bahia, através da preservação e ordenação de arquivos privados e personalidades públicas, bem como a realização de exposições, seminários e cursos de formação gratuitos. Entre suas funções, é responsável pelo Memorial dos Governadores Republicanos da Bahia (MGRB), localizado no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico de Salvador.