A Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), vinculada à Secretaria de Urbanismo (Sedur), inicia nesta semana uma nova etapa do programa de diagnóstico e prospecção arqueológica da Rua Chile, no Centro Histórico de Salvador. A iniciativa integra o projeto Pelas Ruas do Centro Antigo de Salvador, do Governo do Estado, com investimento de R$ 124 milhões para a melhoria da infraestrutura urbana em mais de 200 ruas da região, formada por 11 bairros.

A atividade vem sendo desenvolvida por etapas. Em agosto foi realizada a pesquisa histórica para a coleta de dados existentes sobre a rua. Os estudos preventivos são necessários para a implantação da vala única, que abrigará a fiação elétrica, os cabos de fibra ótica, a rede de gás, a distribuição de água e a coleta de esgoto. A proposta é a criação dessa nova estrutura na Rua Chile, proporcionando a valorização do patrimônio histórico e, ao mesmo tempo, a melhoria da acessibilidade.

“Trata-se de um dos mais importantes cartões postais de Salvador, que abriga monumentos e edificações históricas”, explica a superintendente de Planejamento da Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas/Conder), responsável pela elaboração e execução do projeto, Tânia Barros. A obra na Rua Chile integra o lote 2 do projeto Pelas Ruas, que compreende ainda os bairros do Centro, Dois de Julho, Nazaré e Politeama, onde estão sendo investidos R$42,9 milhões.

Importância histórica

Primeira rua do Brasil, a Chile está localizada em uma área de alto valor histórico e cultural, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), desde 1984, e reconhecida pela Unesco, um ano depois, como Patrimônio da Humanidade. Segundo Tânia Barros, a partir da realização do trabalho na Rua Chile, será possível a definição de ações que garantam a preservação e a promoção do patrimônio histórico na região. “Existe o cuidado com o patrimônio cultural dentro do projeto Pelas Ruas do Centro Antigo. Por isso, realizamos metodologia e técnica específicas em arqueologia para transformar descobertas em conhecimento sobre o passado, em parceria com Iphan”.

Os estudos estão sendo coordenados por uma equipe de arqueólogos da empresa A Lasca Arqueologia, especializada na avaliação e proteção de bens culturais tombados, entre outras atividades. A partir das informações levantadas na pesquisa histórica, realizada em agosto, serão abertas 14 trincheiras ao longo da Rua Chile, com extensão de 3 x 1 metros, permitindo uma melhor leitura dos vestígios arqueológicos que forem encontrados.

A conclusão do trabalho está prevista para o final de outubro, quando os resultados serão apresentados ao Iphan. O acervo que for coletado, neste período, será encaminhado para o Museu Arqueológico da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa). Além da execução da vala técnica, serão recuperados 7,9 quilômetros de pavimento e 8,9 quilômetros de passeios na Rua Chile. As ruas das Vassouras, da Misericórdia, Guedes de Brito, Padre Vieira, da Ajuda e José Gonçalves, no entorno da Chile, também vão passar por requalificação. Um investimento de R$ 4,5 milhões. Leia mais sobre a requalificação do centro Antigo de Salvador neste link.

Fonte:Ascom / Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas/Conder)