A chegada do mês de setembro para muitos baianos têm um significado especial: o caruru. E foi pensando nas comemorações e na culinária típica deste período que o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro) lançou, na manhã desta segunda-feira (12), a Operação Cosme e Damião, que vai percorrer mercados e supermercados de Salvador. Os alvos dos fiscais são itens como quiabo, camarão seco, farinha, amendoim e castanha, além de farinha de mandioca, milho de pipoca e doces.

O objetivo da operação é garantir que o consumidor não seja lesado e pague exatamente pelo que é levado para casa. Nos estabelecimentos comerciais, os fiscais do Ibametro vistoriam os chamados produtos pré-medidos, que são aqueles pesados sem a presença do consumidor. Para estes itens, é necessário estar identificada na embalagem a tara do recipiente e a quantidade líquida (efetiva) do produto.

Os fiscais ainda levam para o laboratório do órgão os produtos industrializados, que já chegam aos mercados embalados. Para estes, é necessário verificar se a quantidade indicada na embalagem corresponde ao conteúdo. Caso os produtos não estejam conforme a norma, o estabelecimento comercial é notificado e tem dez dias para apresentar defesa. O proprietário pode ser multado entre R$ 100 e R$ 1,5 milhão, de acordo com o grau de irregularidade, reincidência e outros fatores.

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
Camarão seco e castanha são alguns dos itens fiscalizados (Foto: Elói Corrêa/GOVBA)

O diretor-geral do Ibametro, Luiz Freire, que acompanhou as fiscalizações nesta segunda (12), destaca a importância do consumidor ficar atento à embalagem dos produtos para não ser lesado. “Nosso intuito é proteger a população, o consumidor, e ajudar também a regular o mercado. O Ibametro faz um trabalho educativo, preventivo e presta orientações aos comerciantes e funcionários sobre como devem estar os produtos. Cada estabelecimento desse em que não é constatado nenhum tipo de irregularidade é uma forma de regular o mercado e manter um padrão de qualidade”, conta Luiz Freire.

Para os consumidores, como a consultora de vendas Fabiana Leandro, o trabalho do Ibametro esclarece dúvidas e dá a garantia do pagamento justo pela compra. “[A operação] é muito importante. Além desses produtos de caruru, a gente fica na dúvida nos congelados, por exemplo, se está pagando pelo valor do produto ou pelo peso do gelo também. Saber que existe um órgão fiscalizando é a certeza de que estamos pagando um preço justo, que é o que todo mundo precisa”, afirma a consultora.

Repórter: Anna Larissa Falcão