Obras de pintores famosos, como Presciliano Silva (1883-1965) e Miguel Cañizares (1834-1913), deterioradas pelo tempo, pararam nas mãos dos alunos do curso técnico de Conservação e Restauração do Centro Estadual de Educação Profissional (Ceep) em Apoio Educacional Tecnologia da Informação Isaias Alves, no bairro do Barbalho, em Salvador. Além da responsabilidade de aprenderem o ofício, por meio do importante acervo artístico e cultural da escola, eles estão empolgados com a oportunidade da formação em uma área em que se identificam e há pouca oferta de profissionais. A especialização é na arte de restaurar papéis (documentos), esculturas, fotografias, pintura e metal.

Ex-estudante do Colégio Estadual Raphael Serravalle, Alceu Menezes, 33 anos, não deixou escapar a chance de retornar à rede estadual, desta vez, como aluno de um curso profissionalizante. Envolvido no universo das artes plásticas, ele enxergou no curso uma forma de aperfeiçoar na área e, ao mesmo tempo, embarcar em uma profissão que considera encantadora. “Esta formação é uma oportunidade ímpar de adquirir conhecimentos para atuar no mercado de Salvador, que tem um enorme acervo histórico e cultural necessitando de reparos, como se vê no Centro Histórico”.

Educação profissional curso de restauração de artes
Durante a restauração, os alunos aprendem a respeitar o traço original da obra

A formação gratuita em uma área em que ainda há pouca oferta de profissionais também foi abraçada por Juliana Soares, 27 anos. A expectativa dela é que em dois anos – tempo de duração do curso – estará apta para trabalhar profissionalmente com o que gosta. “Eu sempre me identifiquei com as artes em geral, principalmente pintura e desenho. Quando soube deste curso, logo me interessei porque vi que seria uma oportunidade de me profissionalizar e seguir uma carreira bastante respeitada e carente de profissionais”.

Segundo o professor de Técnicas de Reparo da rede estadual, Renato Carvalho da Silva, responsável pelo curso, que tem ênfase em artes sacras, as intervenções nas camadas de tintas dos quadros em restauração são as mínimas possíveis. “Sempre digo a eles que restaurar significa, sobretudo, respeitar o traço original do artista. É um trabalho minucioso, que começa com a higienização das peças e inclui, por exemplo, o enxerto com madeira para recuperar molduras que foram atacadas pelos cupins”.

Curso de restauração de artes - Educação Profissional

Ele ressalta que a profissionalização dos alunos irá abrir um leque de oportunidades no mundo do trabalho. “A Bahia é um estado que possui o maior número de acervo artístico e cultural do País, mas, paradoxalmente, possui um número pequeno de restauradores profissionais. Estes jovens, que hoje estão aqui se capacitando, terão a oportunidade, sobretudo, de contribuir para o resgate da história cultural do nosso patrimônio, para a preservação dos nossos acervos de arte. Sem falar que se trata de um trabalho imensamente prazeroso”.

A diretora do colégio, Maribel Silva, ressalta que o processo de preparação dos estudantes para as etapas do curso foi iniciado com aulas teóricas e, a partir daí, as fotografias emolduradas de antigos professores e gestores, que passaram pela centenária unidade escolar, viraram seus primeiros objetos de trabalho. “A nossa maior expectativa, agora, é com a finalização do laboratório, onde os estudantes irão trabalhar na restauração das peças. Enquanto isso, eles estão atuando no Salão Nobre da escola, onde justamente estão fixados os referidos os enormes e simbólicos quadros de fotografias”.

Para os interessados em participar do curso de Conservação e Restauração, a Secretaria da Educação do Estado abre inscrição, até dezembro deste ano, para 120 vagas. O processo de seleção é feito via sorteio eletrônico, com data a definir.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado