O Rio São Francisco serviu de cenário para a passagem da chama olímpica, nesta quinta-feira (26), feriado de Corpus Christi, no município de Juazeiro, distante 505 quilômetros de Salvador. Durante o trajeto, atletas e personalidades ligadas ao esporte conduziram a tocha. A paratleta de natação, Amariles Cristiane, que disputou a primeira edição dos Jogos Parapanamericanos, no México, em 1999, foi uma das condutoras. “A emoção é a mesma de quando disputei o Parapan”, disse.

Um dos principais nomes da natação baiana, Lourival Quirino, pentacampeão da Travessia Mar Grande-Salvador, também foi um dos condutores da tocha olímpica. “O revezamento é parte dos Jogos Olímpicos, maior evento esportivo do mundo. É uma honra representar minha Juazeiro nesse evento”, afirmou.

Coube a Francisco da Silva Cardoso, o Cardozinho, encerrar o trajeto da tocha em Juazeiro. Aos 75 anos, o folclórico corredor de rua, sempre com seu chapéu de vaqueiro, também tem sua história de superação por meio do esporte. “Há 16 anos, tive um tumor no fígado. As corridas me salvaram”, acredita.

Ao final do trajeto, na orla do Velho Chico, João Gilberto, o filho mais ilustre da cidade, foi homenageado. Clássicos da Bossa Nova, muitos deles compostos pelo cantor e compositor juazeirense, embalaram o público, que aguardava a chegada da tocha.
Além de Juazeiro, a chama percorreu os municípios de Jaguarari e Sobradinho, na Bahia, e pernoita em Petrolina, em Pernambuco. Na sexta-feira (27), a tocha retorna para território baiano, quando encerra seu percurso no estado, no município de Paulo Afonso.

Senhor do Bonfim

Em família. Foi assim que teve início o revezamento da chama olímpica no município de Senhor do Bonfim, norte da Bahia, na última quarta-feira (25). O percurso foi aberto por Inocência Cristina Lira, que, visivelmente emocionada, economizou para descrever o que sentiu. “É muito emoção, estou sem palavras”, resumiu.

Seiscentos metros depois da saída, quem esperava a sua vez de conduzir a tocha era o comerciante local Luís Carlos Lira, marido de Inocência e quarto condutor da chama em Senhor do Bonfim. “É um dia inesquecível, ainda mais que a minha esposa foi quem deu a largada no trajeto aqui em nosso município. É uma data que entra na história de Senhor do Bonfim e na memória da nossa família”, declarou, enquanto esperava, ansioso, a sua vez de conduzir a chama.

Mesmo com a forte chuva e o frio durante a passagem da tocha, a população prestigiou o evento. Foi a caso de Rita de Cássia Lima, que levou as filhas Maria Eduarda, 8 anos, e a pequena Júlia, 4 anos, que, preparadas com capotes e guarda-chuva, fizeram festa durante a passagem do comboio da tocha olímpica.

“É um privilégio viver um momento como este aqui em nossa cidade. E mais ainda ver este símbolo mundial passar na porta de nossa casa. Minhas filhas estão encantadas”, contou Rita de Cássia.

Antes e depois do fogo percorrer as ruas de Senhor do Bonfim, o forró ditou o ritmo no Parque da Cidade, também conhecido como Espaço Gonzagão, onde acontece umas das maiores festas de São João da Bahia.

Fonte: Ascom/Setre