A gincana cultural do Colégio Estadual Juiz Jorge Faria Góes, no município de Feira de Santana, é um dos momentos do ano letivo que mais motivam e mobilizam os alunos dos ensinos fundamental e médio. Na sétima edição, o evento – que se encerra nesta quarta-feira (25), depois de uma semana de atividades – promove uma série de tarefas, voltadas à cultura, literatura, esportes, conhecimentos gerais, solidariedade e cidadania.

Ana Jaqueline Messias, 15 anos, do 1º ano, diz que participa da gincana desde a 6ª série. “É muito bom nos envolvermos nesta atividade da escola, a mais esperada por nós. O mais bacana é que as provas são planejadas para que haja interatividade entre a gente e interdisciplinaridade dos conteúdos, reforçando o nosso aprendizado”. Ela cita a geometria, os planos cartesianos e os cubos perfeitos como alguns dos conteúdos de Matemática trabalhados durante as atividades.

O estudante Pedro de Jesus Ferreira, 18, 2º ano, participante pela terceira vez, afirma que a gincana é uma experiência enriquecedora. “Através dela, somos estimulados a ser mais solidários e a consolidar os conteúdos aprendidos em sala de aula através de tarefas pedagógicas e culturais”. O evento, segundo o aluno, traz sempre novos conhecimentos, a exemplo do fenômeno físico de carregar água na peneira. “Por conta da tensão superficial, entre os dois objetos, podemos colocar água em um copo e tampá-lo com um papel. Depois, viramos o copo na peneira e retiramos o papel. A água permanece na peneira, sem vazar. Eu fiquei surpreso com o resultado desta experiência”.

De acordo com a diretora da escola, Flávia Araújo, o objetivo da gincana é trabalhar, sobretudo, o espírito solidário, por meio de doações de materiais e de aprendizados sobre cidadania. Além disso, as ações têm função pedagógica interdisciplinar, estimula a convivência social na escola – levando em conta a diversidade do ambiente social e a liberdade de expressão – e promove a integração entre alunos, professores e funcionários, bem como exercita o espírito de liderança dos estudantes. “Os nossos alunos costumam dizer que a ação é a nossa festa de Ano Novo. Eles se envolvem completamente nas atividades e o resultado é a integração entre eles e a formação de valores, o que significa, por exemplo, o respeito às diferenças”, enfatiza a gestora.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia