A partir desta quarta-feira (11) o som dos atabaques vai soar nas ruas de Santo Amaro, no Recôncavo. Começa a festa do Bembé do Mercado, o único candomblé de rua do mundo, com 127 anos de tradição, e registrado como Patrimônio Imaterial da Bahia desde 2012, a partir de pesquisas e proposta do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), vinculado à Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

O evento, que comemora a libertação dos negros escravizados em 1888, tem como tema este ano ‘Orum Ayê, a força dos Orixás’ e segue com sua programação até o próximo domingo (15). Esta noite, babalorixás e ialorixás cumprem os rituais religiosos diante do olhar de milhares de pessoas. No Bembé do Mercado, mais de 40 terreiros de candomblé vão as ruas. Os rituais acontecem também nesta quinta (12) e no sábado (14), sempre às 21h30.

O Bembé do Mercado também terá apresentações de manifestações culturais diárias, no Largo do Mercado, das 19 às 21h. Na sexta (13), às 21h30, shows com grupos de samba de roda são as atrações. No último dia do evento, às 9h, o povo de santo sairá do Largo do Mercado em direção à praia de Itapema, também em Santo Amaro, para fazer a entrega do presente à Iemanjá (balaio com agrados para a orixá, como flores e perfumes, dentre outros artigos). No retorno, por volta das 14h, a programação será encerrada, com um almoço, no mesmo largo.

O babalorixá Pai Pote, do terreiro Ilê Axé Oju Onirê, autor do pedido de registro do Bembé, feito ao Ipac, diz que a festa está crescendo cada vez mais. "A luta do Bembé é grande. Pra gente, é muito importante esta luta do povo negro". Ele, que também é presidente da comissão gestora e da Associação Beneficente Bembé do Mercado, criada este ano, assinala a importância de mais inclusão de projetos culturais para o município de Santo Amaro. "Devemos valorizar nossa cultura".

Os homenageados na festa são Silvonilton Encarnação da Mata, pai de santo do Ile Axé Oxumaré (Vasco da Gama), a ebomi Nice da Casa Branca (terreiro de Santo Amaro) e a cidadã santamarense Olívia Santana. Pai Pote também informou que está confirmada a participação do grupo afro Muzenza e o Samba de Nicinha Raízes de Santo Amaro no Bembé deste ano. São parceiros da festa a Associação Beneficente Ilé Axé Oju Oniré, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Santo Amaro, a Fundação Cultural Palmares e o Ministério da Cultura (MinC).

Preservação

O Ipac foi o responsável pelas pesquisas para tornar a manifestação um ‘Patrimônio da Bahia’, produzindo livro e videodocumentário sobre o tema. Este é o sétimo volume da coleção Cadernos do Ipac, composto de 160 páginas, mais de 170 imagens entre fotografias, mapas e infográficos, além do vídeodocumentário de 52 minutos. A versão digital é acessada no link http://www.cultura.ba.gov.br/bembe-do-mercado.

Segundo o diretor-geral do instituto, João Carlos de Oliveira, ao decretar o reconhecimento de um bem cultural, o Estado passar a ter responsabilidades de proteção. "Preservação dos terreiros, projetos socioculturais para as comunidade e infraestrutura para a população devem ser prioridades".

Fonte: Ascom/Secretaria de Cultura do Estado (Secult)