Passada a primeira semana, os criadores baianos, em todo o estado, estão indo às lojas credenciadas adquirir as doses da vacina contra a febre aftosa, enquanto as equipes da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura do Estado (Seagri), se colocam a postos para atender e mobilizar o maior número de criadores nesta primeira etapa de vacinação de 2016, quando todos os bovinos e bubalinos precisam ser imunizados, até 31 deste mês, independente da faixa etária.

A venda das vacinas só é permitida durante o período da campanha e as lojas precisam lançar o estoque e a venda no sistema informatizado da Adab. O diretor de Defesa Sanitária Animal, Rui Leal, recomenda que sejam adquiridas exclusivamente nos locais credenciados e em quantidade compatível com o número de animais a serem vacinados. Além de seguir outras orientações, como a de manter as doses resfriadas entre dois e oito graus centígrados, usar material higienizado e aplicar 5ml da vacina por animal, independente da faixa etária, para garantir a imunidade no rebanho.

Após a aplicação, o criador precisa informar à Adab, comparecendo ao escritório mais próximo até o dia 15 de junho. “Hoje, o produtor só precisa apresentar o CPF e deve solicitar que a revenda lance a nota fiscal no sistema informatizado da Agência”, diz Leal. A orientação é que, após a aplicação, o criador deve declarar a vacinação no escritório da Adab mais próximo, e aguardar até a conclusão de todo o processo de declaração para emissão do comprovante de vacinação, mantendo-o guardado junto a todas as declarações arquivadas.

Os proprietários dos animais que não vacinarem o gado contra a febre aftosa, durante o período da campanha, e não fizerem a declaração no escritório da Adab serão multados no valor de R$ 53 por cabeça não vacinada e R$ 160 por propriedade não declarada, ficando impedidos de vender ou transportar o rebanho. O criador também pode solicitar a senha para ter acesso ao seu cadastro no sistema informatizado da Adab, podendo emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA), consultar a ficha sanitária e informar os nascimentos e mortes de animais na sua propriedade, via internet.

Fonte: Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri)