Até o final deste mês, 270 trabalhadores baianos, entre 16 e 29 anos de idade, vão receber certificados do Programa Estadual de Inserção de Jovens no Mundo do Trabalho (Trilha), realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre). No total, estão sendo beneficiados pelo programa 1.210 jovens em situação de vulnerabilidade, em 32 municípios do estado, como informa o secretário Álvaro Gomes.

O Governo da Bahia já qualificou e certificou 33.466 trabalhadores, nessa faixa de idade, no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2015, por meio dos projetos Juventude Cidadã, Projovem Trabalhador e Programa Trilha. As certificações do Trilha compreendem áreas de alimentação, construção civil, têxtil, arte e cultura, beleza, estética, comércio, serviços, esporte e lazer, metal mecânica, tecnologia da informação (TI) e turismo. Após a certificação, a Setre atua na inserção dos formandos no mercado do trabalho, via o Serviço de Intermediação de Mão de Obra (SineBahia).

O ciclo de certificações do Programa Trilha neste mês começou no último dia 3, quando foram certificados 20 trabalhadores do município de Nova Fátima (nordeste), no curso de Montador e Reparador de Computadores. Na próxima quarta-feira (16), recomeça nas cidades de Heliópolis, na mesma região, Palmas de Monte Alto e Planaltino (centro sul).

Ainda pelo cronograma da Setre, a partir do próximo dia 22, serão certificados trabalhadores dos municípios de Sapeaçu, Simões Filho, Candeias (RMS), Tapiramutá, Irecê, Presidente Dutra (centro norte) e Vitória da Conquista (sudoeste). Os cursos contemplados foram Montador e Reparador de Computadores, Doces e Salgados, Gastronomia, Confeccionista (modista), Cabeleireiro, Manicure e Maquiagem e Mobilização de Redes Sociais.

Inserção

Criado em 2008 com o objetivo de inserir no mundo do trabalho jovens em situação de vulnerabilidade social, o Programa Trilha Setre tem, entre outras preocupações, elevar o nível de escolaridade, promover a geração de renda, dar protagonismo juvenil, por meio de ações de valorização dos direitos humanos e cidadania, superação das desigualdades e combate ao desemprego.

Os cursos duração de 400 horas – 100 são para qualificação social e retomada de conceitos da educação básica, 250 voltadas à qualificação profissional e preparação para o mundo do trabalho e 50 à orientação e elaboração do Trabalho Final de Curso (TFC). Durante as aulas, os trabalhadores recebem uma bolsa-auxílio mensal no valor de RS 100.

Fonte: Ascom/Secretaria do trabalho, Emprego Renda e Esportes (Setre)