Referência para o povo negro e para o cenário artístico da Bahia, Mário Gusmão é o grande homenageado do VI Festival de Cinema Baiano (Feciba), que será realizado em três cidades do interior do estado. Juazeiro recebe o evento de 8 a 10 de abril, no Centro de Cultura João Gilberto; Feira de Santana, de 13 a 15 de maio, no Centro de Cultura Amélio Amorim; e Itabuna, de 9 a 11 de junho, no Centro de Cultura Adonias Filho.

Realizado pelo Núcleo de Produções Artísticas (NúProArt) e pela Voo Audiovisual, o evento tem apoio financeiro do Fundo de Cultura da Bahia, mecanismo de fomento à cultura gerido pelas secretarias estaduais de Cultura (Secult) e da Fazenda (Sefaz), por meio do edital ‘Agitação Cultural: Dinamização de Espaços Culturais’.

Mostra

Como parte da homenagem, a Mostra Retrospectiva do festival será dedicada ao ator. Em Juazeiro será exibido o documentário ‘Mário Gusmão: o anjo negro da Bahia’ (2005), do diretor Elson Rosário. O filme revela a vida e a obra do ator em três linhas temáticas: a artística, a militância política no movimento negro e a espiritual, através do candomblé.

A narrativa é construída com base nos depoimentos de personalidades do cenário cultural, teatral e cinematográfico da Bahia e do Brasil, tais como Nilda Spencer, Orlando Senna, Paloma Rocha, Jackson Costa, Carlinhos Brown e Jefferson Bacelar, autor da biografia do autor – ‘Um príncipe negro na terra dos dragões da maldade’, livro que será lançado em 2006.

Dando continuidade à programação especial da Mostra Retrospectiva, em Feira de Santana, será exibido o filme ‘A imagem da terra’ (1980), importante obra da filmografia de Glauber Rocha, do qual Mário fez parte do elenco. Já em Itabuna, a exibição será do longa ‘O anjo negro’ (1972), de José Humberto Dias, filme que o ator protagonizou e cujo título passou a ser utilizado como uma qualificação ao homenageado.

Trajetória

Nascido em 1920 na cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, Mário Gusmão foi o primeiro ator negro a se formar pela Faculdade de Teatro da Universidade Federal da Bahia (Ufba), onde ingressou na segunda turma em 1950. Mas foram nas décadas de 1960 e 1970 que ele viveu o melhor momento da carreira. Seu trabalho junto ao Teatro dos Novos – grupo responsável pela renovação do cenário teatral em Salvador – o levou a atuar em mais de vinte peças.

No cinema, Mário participou de obras importantes para a cinematografia brasileira, como ‘O caipora’ (1963), de Oscar Santana, ‘O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro’ (1969), de Glauber Rocha, e ‘Jubiabá’ (1985), de Nelson Pereira dos Santos. Na televisão, integrou o elenco das novelas ‘Tenda dos Milagres’ (1985), da Rede Globo, e ‘Dona Beija’ (1985-86), da Rede Manchete. Mais informações podem ser obtidas no site do festival.

Fonte: Ascom/Secult