A cidade de Cachoeira e a região do Recôncavo Baiano recebem, a partir deste sábado (12), a visita do crítico, jornalista, curador, escritor e ensaísta alemão Diedrich Diederichsen. Ele mora em Berlim (Alemanha) e Viena (Áustria), onde ainda atua como professor de estudos culturais. A visita marca a ação-piloto do programa de residências artísticas que está sendo criado em parceria entre a Fundação Cultural do Estado (Funceb) e o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), instituições da Secretaria de Cultura (Secult).  
Essa primeira etapa do programa tem a participação do Goethe-Institut Salvador-Bahia, que também promove residências e projeta receber 20 artistas e pesquisadores alemães, brasileiros e internacionais a cada ano. Foi o Goethe que trouxe Diederichsen para a Bahia e faz extensa programação com o ensaísta. Na visita a Cachoeira, o Ipac está apoiando a hospedagem do especialista, disponibilizando lista de terreiros de candomblé a serem visitados, além de reunião posterior com a gerência de Patrimônio Imaterial (Geima) do Ipac.  
Pelourinho
“Além da parceria com o Goethe e outras instituições, o programa de residências Ipac/Funceb, pretende ocupar unidades imobiliárias do Pelourinho para receber artistas locais, nacionais e internacionais por períodos de três e seis meses, dentre outras ações”, explica a diretora-geral da Funceb, Fernanda Tourinho. O Ipac detém parque imobiliário com 226 imóveis na área tombada do Centro Histórico de Salvador, que corresponde a cerca de 2% do total imóveis na região. 
“Desde o ano passado, Ipac e Funceb realizam parcerias que focaram na ocupação de espaços culturais da cidade com projetos de linguagens artísticas, principalmente no Museu de Arte da Bahia (MAB, Corredor da Vitória) e no Palacete das Artes (Graça)”, relata o diretor-geral do Ipac, João Carlos de Oliveira. “Aliado às ações com a Funceb, lançamos a campanha #MusEuCurto com a Secretaria de Comunicação, aumentando a frequência dos Museus do Ipac em mais de 60%”, completa.  
Terreiros 
Apoiado pela parceria Ipac/Funceb em Cachoeira, Diederichsen desenvolve pesquisa sobre o escritor alemão Hubert Fichte (1935-86), que, nas décadas de 70 e 80, estudou tradições afro-americanas, tendo o candomblé como interesse principal. Diederichsen fica em Cachoeira até domingo (13). O Ipac também sugeriu agentes municipais que atuam na recepção e visita guiadas aos terreiros locais. 
Em Cachoeira e São Félix, o Ipac elaborou dossiês de 10 terreiros de candomblé que receberam proteção do Estado ainda inédita no Brasil, com o ‘Registro especial’. O registro contempla a salvaguarda dos espaços físicos e dos bens culturais simbólicos existentes nesses locais. Mais informações sobre o Goethe-Institut podem ser obtidas pelo telefone (71) 3338-4700 e e-mail wiebke.kannengiesser@salvadorbahia.goethe.org. 
Fonte: Ascom/Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac)