No Dia Mundial da Água, mais de 450 mil baianos residentes em áreas rurais do semiárido já podem comemorar o acesso à água para consumo humano e para produção, por meio da instalação de cisternas e de barreiros. A ação do programa Água para Todos, executada pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), tem garantindo a melhoria na qualidade de vida dessa população, que antes sofria com a falta de água.

Vidas como a do agricultor familiar José Pereira Brito, da comunidade de São Miguel do Ouricuri, no município de Barrocas, estão sendo transformadas, por meio da instalação de cisternas. “Antes da chegada da cisterna, eu tinha um reservatório em casa, mas não era suficiente para o consumo da minha família. Agora temos água para as nossas necessidades”, afirmou o agricultor.

Desde 2007, a CAR já instalou mais de 120 mil cisternas de consumo humano em diversos municípios do semiárido. Para dar continuidade a esta ação, outras 2,5 mil cisternas de polietileno serão entregues este ano. O investimento é de mais R$ 440 milhões, por meio de parceria do Governo do Estado com o Ministério de Integração Nacional.

De acordo com o secretário da SDR, Jerônimo Rodrigues, a entrega das cisternas é o resultado de uma preocupação do governo estadual com a universalização da água no meio rural. “Garantir o acesso à água de qualidade é garantir uma melhor qualidade de vida e saúde para essa população, que precisava caminhar quilômetros para buscar água, ou dependia da água de carros pipa. É também uma ação de inclusão social”, destacou.

Água para produção

A ação da SDR se estende também para a implantação de cisternas de produção e dessedentação animal. A expectativa é que até o fim deste ano sejam construídas mais 8.774 tecnologias sociais (cisternas calçadão e barreiros trincheira), em 119 municípios da região semiárida, beneficiando uma população de cerca de 30 mil habitantes. Nesta ação, serão investidos mais de R$ 120 milhões, por meio de convênio com o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Segundo o diretor presidente da CAR, Wilson Dias, o objetivo é proporcionar o acesso à água para a produção de alimentos e consumo animal às famílias de baixa renda e em situação de insegurança alimentar, residentes na zona rural. “Como resultado, espera-se que as famílias beneficiadas possam melhorar as condições de vida, a partir das tecnologias apropriadas de captação e uso inteligente da água, para fomentar a produção, ampliar a oferta de alimentos na mesa, e a venda do excedente aumentando a renda das famílias”, observa Dias.

O agricultor familiar Manoel Guardiano, da comunidade Rural Várzea do Morro, no município de Ponto Novo, conta sobre as dificuldades quando não havia nem a cisterna, nem o barreiro. “Uns dez anos atrás, eu precisava andar quilômetros com a lata de água na cabeça para buscar água”, lembra, manifestando a alegria em ver que, depois da chuva, a cisterna e o barreiro estão cheios de água, garantindo o consumo humano e da produção de hortaliças e frutas, que ele irá vender na feira do município.

Tecnologias

A cisterna calçadão é uma tecnologia de captação de água da chuva com a capacidade de armazenar 52 mil litros de água. Possui um calçadão de 200 metros quadrados onde a água da chuva cai e escorre para a cisterna. Já o barreiro trincheira é utilizado mais para dessedentação de animais de pequeno e médio porte.

“Ele é estreito e profundo, média de 3 a 4 metros para evitar a evapotranspiração. O barreiro acumula, em média, 500 metros cúbicos de água. No período chuvoso, o semiárido se renova e as pessoas que ali habitam veem a possibilidade de produzir seu próprio alimento garantindo, assim, a segurança alimentar”, explica a coordenadora de produção do Água para Todos, da CAR, Kamilla Santos.