Um debate no auditório do Ministério Público do Trabalho (MPT), no bairro da Vitória, em Salvador, encerrou nesta quinta-feira (28) a Semana de Mobilização contra o Trabalho Escravo na Bahia. Representando o governador Rui Costa, o titular da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Álvaro Gomes, ressaltou a importância das ações do evento pautadas pela sensibilização e conscientização.

O encontro teve o propósito de alertar a sociedade sobre a importância das denúncias, através dos canais existentes, de qualquer forma de trabalho degradante. Também estiveram presentes no evento, que encerrou a Semana de Mobilização, o procurador-chefe do MPT, Alberto Bastos Balazeiro, e o superintendente regional do Trabalho e Emprego, José Maria Dutra.

Luta permanente

O secretário disse que a luta contra o trabalho escravo é permanente e deve ser intensificada a cada dia. “Precisamos construir uma sociedade com trabalho decente em momentos favoráveis ou não. Grandes avanços já foram conquistados, mas temos um longo caminho a percorrer para eliminar de vez esta chaga social”.

Segundo a representante da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Fernanda de Castro, existem hoje cerca de 21 milhões de pessoas vítimas do trabalho degradante, que gera a seus exploradores R$ 150 bilhões por meio dessa prática. “Apesar do enfrentamento constante ainda não conseguimos erradicar essa chaga social do mundo”.

Tráfico de pessoas

De caráter pedagógico, a Semana de Mobilização buscou conscientizar a sociedade para ser parceira na luta contra o tráfico de pessoas. A iniciativa da Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo da Bahia (Coetrae-BA) atuou, em vários locais, especialmente na Rodoviária de Salvador e no Aeroporto Internacional da capital.

Durante esta semana de ações, baianos e turistas receberam materiais explicativos sobre trabalho forçado, retenção de documentos, jornada exaustiva e outras formas de exploração que caracterizam o trabalho análogo ao escravo.

Representações sociais

Participaram da Semana de Mobilização representantes do Governo do Estado, por meio das secretarias estaduais de Justiça Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS); da Setre; da Educação e da Segurança Pública (SSP).

Compareceram ainda representantes do MPT, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Justiça do Trabalho da 5ª Região, Associação dos Magistrados da 5ª Região, Ministério do Trabalho e Previdência Social, Defensoria Pública da União, Confederação Nacional dos Trabalhadores Agrícolas e Instituto Geografar, da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Fonte: Ascom/Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre)