Vestidos de branco, muitos fiéis começaram a chegar cedo na Basílica Santuário Nossa Senhora da Conceição da Praia, no bairro do Comércio, na manhã desta quinta-feira (14), para o ato ecumênico que dá início às comemorações em homenagem ao Dia do Senhor do Bonfim. Recebido com queima de fogos, o governador Rui Costa chegou à Basílica acompanhado de secretários de Estado e de outras autoridades para acompanhar o ato inter-religioso. Esta é a primeira vez que Rui participa, como governador, da Lavagem do Bonfim.

“Tenho muitos motivos para agradecer, principalmente pela saúde da minha família. Também vou pedir paz para todos os baianos e saúde para continuar trabalhando por esse estado”, disse o governador pouco antes do início da missa celebrada pelo padre Jairo de Jesus Menezes.

Segundo o secretário estadual da Cultura, Jorge Portugal, essa festa é um exemplo da diversidade cultural da Bahia. “Nela há espaço para classes de A a Z, para todas as raças, e onde há a convivência harmoniosa entre as religiões. Hoje é dia de rezar para o Senhor do Bonfim e bater cabeça para Oxalá”, pontuou, fazendo referência ao sincretismo religioso baiano, que une as crenças do catolicismo e do candomblé.

Do lado de fora da igreja, mesmo antes do fim da missa, as baianas com vasos de água de cheiro já se organizavam em frente à Basílica da Conceição da Praia para a saída do cortejo até a Colina Sagrada, onde fica a Igreja do Senhor do Bonfim, para a tradicional lavagem das escadarias. No trajeto de oito quilômetros, religiosos carregam a imagem peregrina do Senhor do Bonfim, que ficará próxima à porta principal da igreja, para veneração pública, até 18h.

Georgina Nascimento foi uma das primeiras a chegar à Basílica, garantindo um lugar privilegiado para acompanhar a missa. Há 32 anos, ela faz o percurso vestida de baiana para pagar uma promessa. "Todos esses anos, venho agradecer a Deus e a meu Senhor do Bonfim por minha casa própria. Venho agradecer também pela saúde que Deus me dá todos os anos para voltar aqui e caminhar até a Colina Sagrada”.

Já o motorista Agnaldo dos Santos, não faz o percurso até a Colina, mas, há 34 anos, assiste à missa na Basílica, no Comércio. "Venho todos os anos pedir paz e saúde para todas as pessoas que eu amo e agradecer pelo meu emprego”.

Cortejo

Na saída do ato religioso, o governador Rui Costa e os fiéis se uniram às baianas e populares para o início da caminhada. Esse ano, além das baianas que recepcionam os turistas, a Secretaria de Turismo do Estado (Setur), por meio da Superintendência de Fomento ao Turismo (Bahiatursa), levou para a Lavagem Bonfim a Orquestra do Maestro Reginaldo.

Repórter: Anna Larissa Falcão

Publicada às 7h50
Atualizada às 12h10