Em Riachão do Jacuípe, na região sisaleira, o governador Rui Costa anunciou ações que serão realizadas na cidade para minimizar os efeitos das chuvas, como inscrição das famílias afetadas no aluguel social, construção de casas e de bueiros para escoar água na BR-324.
“Nós já estamos, junto com a Prefeitura, retirando as famílias que estão em risco e colocando em abrigos. Agora que a água baixou, começa a segunda etapa, que é identificar aquelas casas que ainda têm risco de uma parede ou telhado desabar. Essas casas serão destruídas e as famílias irão para o aluguel social até que nós possamos construir as novas casas”, disse Rui.
De acordo com o governador, um conjunto habitacional será construído “para alocar não apenas as famílias que perderam suas casas agora, mas também precisamos fazer um reassentamento de famílias que estão em casas próximas ao rio”. Rui seguiu para o município após entregar, na manhã desta terça-feira (26), obras nas áreas de infraestrutura, esporte e saúde à população de Heliópolis. 
Riachão do Jacuípe é uma das cidades mais afetadas pelas fortes chuvas que atingem a Bahia nas últimas semanas. O rio que dá nome ao município e o Rio Verde, conhecido como Boqueirão, transbordaram na última sexta (22), invadindo casas e alagando ruas, além de ter provocado o desabamento de parte da ponte sobre a BR-324 e o rompimento de uma adutora de água. A ponte está sendo reconstruída por equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e deve ser liberada até sexta-feira (29). 
Cerca de mil famílias foram afetadas e 600 tiveram que abandonar as casas devido ao aumento do nível dos rios. Ainda em Riachão do Jacuípe, o governador visitou áreas atingidas nos bairros Jabotá e Barra e também a Escola Municipal Nossa Senhora da Conceição, onde estão famílias desalojadas.
A construção do conjunto habitacional vai beneficiar pessoas como a dona de casa Maria José Rios, 40 anos, que morava com os três filhos e uma neta às margens do Rio Boqueirão, no bairro Jatobá. “Quando acordei, já estava tudo dentro d’água. Não sobrou nada. Fiquei com a roupa do corpo. A água invadiu rapidamente. E até na casa é arriscado entrar porque está em tempo de desabar”. 
Doações 
Um posto de coleta de doações para as famílias atingidas foi montado no Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Elas precisam de alimentos não perecíveis, água potável, material de higiene pessoal e limpeza, fraldas, roupas e colchões. Na última segunda (25), as Voluntárias Sociais da Bahia (VSB) enviaram cerca de quatro toneladas de donativos.
De acordo com o superintendente da Defesa Civil do Estado, Rodrigo Hita, o apoio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) também será solicitado. “A Defesa Civil está aqui desde sexta-feira, trazendo colchões, água potável e alimentos. Acionamos a Vigilância Sanitária para trazer hipoclorito de sódio para evitar doenças transmissíveis pela água e estamos articulando também com a Conab a entrega de 300 cestas básicas”, explicou . 


Repórter: Luana Marinho


Publicada às 17h20
Atualizada às 20h07