Muita disposição e vitalidade predominaram entre os 320 participantes – homens e mulheres -, com idade entre 20 e 80 anos, que suaram a camisa nesta quinta-feira (28), durante as duas últimas aulas matinais do projeto ‘Sudesb Primavera Verão’, no Parque Costa Azul, em Salvador. A energia era tanta que parecia primeiro dia de aula.

As atividades de 2015/2016 foram encerradas nesta quinta com as duas aulas vespertinas realizadas entre 17h30 e 19h20. Na sexta edição, o projeto teve início no dia 5 de novembro do ano passado, com interrupção de aulas apenas nas festas de fim de ano.

Nesses três meses, as atividades atraíram moradores do Costa Azul. Também compareceram pessoas de bairros mais distantes como as irmãs Valmira Cristina Ramos, 74 anos, e Jacira Ramos Santos, 78, esta última praticando, pela primeira vez, uma atividade física de forma contínua e orientada por profissionais de Educação Física. Elas garantiram que, na próxima temporada, “se Deus assim permitir”, estarão de volta.

A consultora em gestão de pessoas, Roberta Costa Cruz, 39, moradora do Costa Azul, deu nota 10 à equipe técnica. “Me chamou a atenção o trabalho humano desenvolvido, que vai além da atividade física. Neste projeto, são valorizados o [aspecto] humano, o social, o educativo e a motivação do público participante”. Ela levou amigos, vizinhos e familiares para participarem das aulas.

Quanto à solicitação dos participantes para realização do projeto durante um período mais longo, o diretor-geral da Superintendência de Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), Elias Dourado, diz que, “em certa medida, atendemos parte dessa reivindicação, já que [desta vez] antecipamos o início para novembro, garantindo um mês a mais de aulas. O desejo da Sudesb é levar essa iniciativa para outros bairros de Salvador e também para cidades do interior”.

Parcerias

Acompanhando o encerramento das aulas na parte da manhã, o diretor de Fomento ao Esporte da Sudesb, Márcio Lima, destacou que esta edição teve uma preocupação especial com a infraestrutura para que as aulas acontecessem de maneira mais confortável e segura. “Além de […] colchonetes com proteção descartável [e] halteres, garantimos iluminação no local, o que possibilitou a aula da noite […] até as 19h20”.

Uma ambulância e o policiamento foram outras providências. Segundo Lima, “também intensificamos a parceria com universidades e laboratórios, que desenvolveram serviços e várias atividades educativas durante este período”. Ele citou ainda a parceria com a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), que forneceu água aos alunos e equipe técnica.

O sucesso do projeto deve-se também as parcerias com a Polícia Militar, Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba), Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder), Central Única da Cidadania (CUC), Programa estadual Pacto pela Vida, Laboratório Sabin, Faculdade Ruy Barbosa Devry-Brasil, Conselho Regional de Farmácia, Sindicato dos Farmacêuticos da Bahia (Sindifarma) e Farmácia Universitária da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Fonte: Ascom/Superintendência de Desportos do Estado da Bahia (Sudesb)