Uma tarde em que centenas de artistas de diversas manifestações da cultura popular baiana puderam mostrar o seu melhor com muitas cores, brilho, coreografia e orgulho. Foi neste clima que milhares de pessoas compareceram neste domingo (24) ao Dique do Tororó para prestigiar a Caminhada Raízes da Bahia, evento multicultural apoiado pelo Governo do Estado, por meio de diversas secretarias. Dezenas de grupos folclóricos, afros, indígenas, filarmônicas, sambistas, ternos, mascarados e marujadas fizeram a alegria do público.
 
Os primeiros a dar a volta completa no Dique foram os mascarados do grupo Zambiapunga, do município de Nilo Peçanha, seguido da Associação das Baianas e dos Índios Guarani de Itaparica. Puxando a ala Ouro Negro, da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), rainhas, príncipes e princesas do Ilê Aiyê, Muzenza, Filhos de Gandhy e Malê de Balê, entre outros representantes de blocos afros da Bahia, dançaram juntos ao som dos tambores, reafirmando a influência da cultura africana no estado e no Brasil.
 
Para o titular da Secult, Jorge Portugal, ao apoiar o evento, o governo estadual contribui para que os mais jovens tenham acesso a um conjunto de manifestações culturais, muitas vezes, só conhecidas por meio da TV. “A cultura popular é a fonte inesgotável de onde se alimenta todos os artistas da Bahia. E [os artistas] explodem para o Brasil inteiro. O Governo do Estado é sensível a estas manifestações”.
 
O resgate e a valorização cultural proporcionados com a realização do evento também foram destacados pela maioria das pessoas que compareceram ao local, entre elas, a aposentada Gildete Brasil, 68, moradora de Massaranduba. “Nós, como mulheres, estamos aqui prestigiando esta caminhada, que é muito linda. Temos que conservar nossas raízes, que são muito importantes”, disse Gildete, que foi à caminhada acompanhada da amiga, Edith Souza, 78, moradora de São Caetano.
 
De última hora, os turistas Antônio Mano Filho, a esposa Áuria e a filha Flávia, de Cuiabá, decidiram mudar a viagem que fariam ao Rio de Janeiro porque foram informados que tem chovido muito no sudeste do país. Por esta razão, eles optaram por passar as férias na capital baiana. “Eu, que gosto de cultura, estou me sentindo num paraíso. A Bahia é simplesmente espetacular”, disse Antônio, que no decorrer da semana vai com a família conhecer as praias do Recôncavo.
 
Na opinião de Vavá Botelho, coreógrafo e diretor geral do Balé Folclórico da Bahia, a antiga Caminhada Axé, que depois de anos é retomada com o nome “Caminhada Raízes da Bahia”, é um dos eventos mais importantes da cultura popular para baianos e visitantes. “Que possamos realizar este evento todos os anos. É uma das coisas mais bonitas da Bahia”. 
 
Para encerrar o evento em grande estilo, o palco montado ao lado da Arena Fonte Nova recebeu o grupo de samba de roda As Ganhadeiras de Itapuã, que deu um show de carisma, suingue e samba no pé. Além de participar da caminhada, a artesã Márcia dos Santos, do bairro Barro Duro, acompanhou com muita animação cada música. “É importante que seja resgatada e não seja esquecida a cultura baiana. Salvador vai fazer aniversário daqui a pouco. Então, isso tem que ser mostrado não só para os turistas, mas também para as pessoas que moram na terra”.
Repórter: Jhonatã Gabriel