Composta por uma coleção de peças indígenas das mais variadas etnias brasileiras, reunidas ao longo de 25 anos pelo ex-funcionário da Fundação Nacional do Índio (Funai) Silvan Moreira; e por pinturas de Gildásio Rodriguez, o “Gil dos índios”, que apresenta a cultura indígena como algo vivo e dinâmico, a exposição "Índios na Janela" percorrerá as cidades de Ilhéus, Porto Seguro e Salvador entre os próximos meses de fevereiro e abril, oferecendo ao público imagens e informações de natureza histórica e cultural sobre povos indígenas brasileiros
As cerca de 200 peças artesanais, entre arcos, colares, lanças e bordunas, de tribos como Pataxós, Maxakali e Krenak, e os 20 quadros de faces indígenas estarão à mostra no período de 22 a 28 de fevereiro em Ilhéus, na Terra dos Povos Tupinambás; de 29/3 a 03/4 no Centro Cultural de Porto Seguro e, de 19 a 24 de abril, no primeiro pavimento do Palacete das Artes, na capital.
 
“A exposição aponta um outro caminho, com o esforço de pensar os indígenas sob o ponto de partida da cultura, de uma janela que se abriu no passado, que continua aberta no presente e mantém-se escancarada pela dimensão contemporânea, permitindo um diálogo com muitas outras tradições culturais”, declara o curador e agente cultural Pawlo Cidade.
Além da exposição, o colecionador Silvan Moreira fará a palestra “Minha Vida na Tribo” e os índios tupinambás apresentarão o ritual poranci, ao som dos maracás, em cada uma das localidades contempladas com a exposição. 
Com entrada gratuita, a mostra é destinada especialmente a estudantes dos ensinos fundamental e médio, pesquisadores, historiadores e professores. O projeto foi contemplado no edital Agitação Cultural – Dinamização em Espaços Culturais da Bahia e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura.
Fonte: Ascom/Secult