Até o último sábado (12), foram notificados na Bahia 180 casos suspeitos de microcefalia com perímetro cefálico menor ou igual a 32 centímetros. Os casos ocorreram em 42 municípios e Salvador concentrou 97 dos registros, o equivalente a 53,8% das notificações.

Segundo o boletim divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), nesta segunda-feira (14), dos 180 casos, foram registrados seis óbitos nos municípios de Salvador (1), Itapetinga (1), Olindina (1), Tanhaçu (1), Camaçari (1) e Itabuna (1), sem constatar a informação do perímetro cefálico.

Palestra e reunião

Nesta quarta-feira (16), às 14h, a convite da Secretaria da Saúde, o neuroepidemiologista americano, James Sejvar, do Centers for Diseases Control and Prevention (CDC), nos Estados Unidos, realiza palestra sobre as investigações quanto aos agravos associados às doenças zika, chikungunya e dengue, no auditório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no bairro de Brotas, na capital.

De acordo com informações da Sesab, na quinta (17), o governador Rui Costa e o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, se reúnem com os prefeitos dos municípios onde ocorre maior incidência dessas enfermidades transmitidas pelo Aedes aegypti.

Centro de Operações

Na semana passada começou a funcionar o Centro de Operações de Emergências em Saúde do Governo da Bahia. O objetivo é atender às necessidades de produção e atualização de informações sobre o quadro epidemiológico baiano e o estabelecimento das medidas de vigilância, controle e atenção.

Coordenada pela Sesab, a unidade envolve a participação de outros órgãos estaduais, do Ministério da Saúde, além de sanitaristas, epidemiologistas, infectologistas, obstetras e neuropediatras. O centro é responsável pelo envio de equipes para auxiliar os municípios na investigação em campo, clínica e laboratorial, bem como o estabelecimento de um plano para controlar as microcefalias e redução dos agravos.

Importância da notificação

A Sesab ressalta que a suspeita, notificação e registro dos casos de microcefalia são fundamentais para o processo de investigação, visando à identificação das prováveis causas, e o acompanhamento da evolução destes casos.

Todos os casos identificados, enquadrados na definição do Ministério da Saúde, devem ser comunicados, em até 24 horas, pela equipe do estabelecimento onde foi realizado diagnóstico, por meio do formulário de notificação e ocorrência de microcefalia disponível no endereço Resp Saúde.

Os dados referentes ao número e percentual de notificações de microcefalia (perímetro cefálico ≤ 32 cm), segundo o município de residência, podem ser conferidos no Portal da Saúde.

Fonte: Ascom/Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab)