Mais 3,5 mil famílias de Camaçari, Simões Filho e Juazeiro receberam as chaves da casa própria nesta terça-feira (22). A entrega simbólica realizada pela presidente Dilma Rousseff e pelo governador Rui Costa, em Camaçari, foi retransmitida para eventos simultâneos nos outros dois municípios baianos e para os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal, onde também foram entregues imóveis. 
A Bahia é o estado brasileiro que mais contratou pelo programa Minha Casa, Minha Vida, com 294 mil unidades contratadas e 164 mil já entregues, segundo a Caixa Econômica Federal. “Isso é sagrado, porque a casa própria é um sonho de todo mundo. Eu quero dizer a vocês que nós já começamos a fase três. Vamos lançar oficialmente no mês que vem”, destacou a presidente Dilma. Somados os estados, são 7.555 unidades inauguradas apenas nesta terça (22). 
Já Rui Costa afirmou que a entrega de casas é o ato de governo que mais o deixa emocionado. “Porque quem já morou de aluguel, de favor ou em uma encosta, que morria de medo do terreno desabar em cima da casa quando a chuva chegava, sabe o valor da casa própria. E este povo que está aqui hoje vai levantar a cabeça, estufar o peito e gritar: essa casa é minha!”. 
Para o governador, o Minha Casa, Minha Vida não é apenas um programa habitacional, mas um programa social. “A prestação menor é de R$ 25 e a maior é de R$ 80. Se fizermos a média, dá próximo de R$ 50 por mês, R$ 600 por ano e R$ 6 mil em dez anos. Cada apartamento custou R$ 64 mil. A diferença dos R$ 58 mil é pago pelo povo brasileiro, pelos impostos que paga. Este é o maior programa habitacional da história do País”.
Residenciais em Camaçari
O programa Minha Casa, Minha Vida atende famílias brasileiras com renda mensal de até dez salários mínimos. Os residencias Alfa V e VI e Vivendas dos Cardeais e das Andorinhas, entregues em Camaçari, vão abrigar mais de mil famílias em casas sobrepostas. Cada imóvel possui dois quartos, sala, banheiro, cozinha e áreas de serviço e de circulação, com piso cerâmico em todos os ambientes.  
A protética dentária Juliene Torre, 36 anos, vai morar com o filho de dois anos em uma das casas. “A ficha ainda não caiu. É uma emoção muito grande conquistar algo que eu nunca pensei que teria. Eu morava na casa do meu pai ou ia para a casa da minha mãe. Agora vou pagar R$ 43 para ter o meu imóvel. Imagine ter a minha casa. Ela é linda, é grande, com quartos grandes, cozinha, banheiro e sala. Estes loteamentos estão lindos”, comemorou. 
Outra beneficiada, a funcionária pública Alba Regiane Gusmão, 37, relembrou as dificuldades de morar de aluguel. “A gente depende dos outros, às vezes a casa não está boa, o proprietário não quer arrumar e a gente tem que mudar. Onde moro agora o aluguel é de R$ 700 e vou passar a pagar R$ 63 de prestação na casa que é minha. Vou poder investir em outras coisas, mobiliar minha casa e comprar minhas coisas”. 

Repórter: Raul Rodrigues