Os tambores mais famosos do planeta encantam, animam e divertem. Através do batuque, o Olodum também tem inspirado milhares de jovens a apostarem em um caminho de oportunidade, conhecimento, respeito e arte. Por meio da Escola Olodum, o bloco afro oferece cursos de dança, percussão e canto, além de um suporte humanístico focado em desenvolvimento de liderança.

Aos 19 anos, Caio Medina é um dos participantes da iniciativa. Ele aprendeu a gostar da música com a família – amor à primeira batida – e foi na Escola Olodum que enxergou a chance de um futuro melhor.  “[O projeto] acrescenta muito, [ajuda] a formar um cidadão negro que saiba se impor em determinadas situações. A história do Olodum me ensinou que eu sou capaz de realizar tudo o que quiser”, afirma.

As mudanças promovidas pelo Olodum na vida de milhares de jovens são abordadas na série especial de vídeos produzidos pela Secretaria de Comunicação Social do Estado (Secom) sobre histórias e personagens que mostram o poder da transformação pela educação. “A pessoa entra no projeto de uma forma, na maioria das vezes negativa, e passa a progredir. A música é vida”, acrescenta Alexandre Augusto, aluno da unidade.

Para participar, os interessados passam por seleção, acompanhamento com a psicóloga e entrevista, além de elaborar uma redação onde deve expressar o motivo pelo qual deseja ingressar no projeto. Na Escola Olodum, Dandara Carvalho se diverte aprendendo, como se a vida fosse um palco e a dança uma companheira inseparável. “A dança representa para mim vida, alegria, saúde. Representa tudo”, diz a garota.

O fortalecimento da cultura na sociedade é um dos cinco eixos temáticos do Educar para Transformar – um Pacto pela Educação. O programa propõe a mobilização de toda a sociedade para a melhoria da qualidade de ensino e mais oportunidade no estado.