Baianos e turistas podem conferir várias exposições nos espaços vinculados à Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/Ipac), em Salvador e interior, neste período de festas. Na sexta-feira (25), o Solar Ferrão inaugura, às 19h, a exposição multimídia ‘Festas Populares’. Os outros museus Ligados à Dimus ficam fechados, nestas quinta e sexta (24 e 25) e nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, devido às comemorações do Natal e Ano Novo. O Ipac é vinculado à Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

O Centro Cultural Solar Ferrão, o Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica, o Museu Abelardo Rodrigues e o Museu Tempostal – todos localizados no Pelourinho – recebem o público das 12 às 18h (terça a sexta) e das 12h às 17h (finais de semana). No Parque Histórico Castro Alves, em Cabaceiras do Paraguaçu (BA), a visitação ocorre das 9h às 12h e das 14h às 17h (terça a sexta) e das 9h às 12h (finais de semana).

SOLAR FERRÃO

– Visitação grátis
– Rua Gregório de Matos, 45, Pelourinho, Salvador

Exposição multimídia

A exposição ‘Festas Populares’ foi produzida por jovens de comunidades populares do núcleo de produção da Escola Oi Kabum! Salvador de Arte e Tecnologia (Kabum! Novos Produtores). Na mostra, arte e a tecnologia encontram as tradições populares, a fé e a devoção do povo baiano, resgatando a importância dessas manifestações.

A mostra reúne 120 fotografias, além vídeo e animações criadas pelos jovens da Kabum! Novos Produtores. As projeções interativas são acionadas por sensores através da ferramenta de touchscreen (tela sensível à pressão), estimulando a participação do visitante.

Exposições permanentes

– Arte Africana
Peças do colecionador italiano Claudio Masella (Roma, 1935-2007), que ilustram a arte dos principais grupos étnicos do continente africano e foram doadas ao Governo da Bahia em 2004.

– Arte Popular
Coleção reunida pelo cenógrafo e diretor teatral pernambucano Eros Martim Gonçalves (1919-1973) e ampliada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914-1992). São objetos de cerâmica utilitária, caxixi (miniatura em cerâmica), roupa tradicional de vaqueiro, brinquedos, oratórios, santos, ex-votos, ferramentas de orixás, carrancas e esculturas com temáticas do cotidiano.

– Walter Smetak
Instrumentos criados pelo músico e compositor suíço Anton Walter Smetak (1913-1984), que viveu na Bahia, entre 1957 e 1984, realizando experimentações sonoras e plásticas, que influenciaram gerações de músicos e artistas.

– Emília Biancardi
A Coleção de Instrumentos Musicais Tradicionais Emília Biancardi tem mais de mil peças coletadas e recriadas nos cinco continentes, com destaque para os instrumentos indígenas brasileiros, africanos e afro-brasileiros.

MUSEU ABELARDO RODRIGUES

– Visitação grátis

– Rua Gregório de Mattos, 45, Pelourinho – Salvador

Exposição

Coleção do pernambucano Abelardo Rodrigues (1908-1971) com mais de 800 objetos, que revelam a trajetória histórica e artística da arte sacra cristã no Brasil, do Barroco e o Neoclássico.

MUSEU TEMPOSTAL

– Visitação grátis

– Rua Gregório de Mattos, 33, Pelourinho – Salvador

Exposições

– O Bairro do Comércio
Coleção de postais e fotos que retratam a região do Comércio, no trecho da Preguiça até o antigo Mercado do Ouro, da primeira década do século 20 até os anos 80. São cerca de 100 imagens.

– Pelos Caminhos de Salvador
Retrata parte da urbanização, crescimento e modernização de Salvador. Imagens imagens e fotografias mostram as diversas transformações ocorridas no tecido urbano da cidade iniciadas no final do século 19.

– Bahia – Litoral e Sertão
Fotografias e postais, do início do século 20, de diferentes cidades do interior baiano, revelam a importância da formação geopolítica, mostrando o impacto da exploração colonial, do povoamento heterogêneo, e a pluralidade de atividades econômicas tanto na região litorânea quanto no sertão.

MUSEU UDO KNOFF DE AZULEJARIA E CERÂMICA

Visitação grátis
– Rua Frei Vicente, nº 3, Pelourinho – Salvador

Exposições

‘Azulejaria na Bahia’

A exposição reúne materiais referentes à arte da cerâmica e do azulejo, que proporcionam visão cronológica, do século 15 ao 20, incluindo a chegada ao Brasil, no século 18.

‘Arte e Azulejaria’
Fotografias de prédios revestidos com azulejos confeccionados pela oficina de Udo Knoff, resultado de projetos de artistas da Bahia. Também pode ser conferido um documentário sobre o colecionador e ceramista. Completam a exposição objetos confeccionados nas oficinas desenvolvidas pelos museólogos da instituição.

PARQUE HISTÓRICO CASTRO ALVES (PHCA)

Visitação grátis
– Praça Castro Alves, 106, Centro – município Cabaceiras do Paraguaçu.

Acervo
O acervo convida os visitantes a mergulharem no universo do porta-voz literário da Abolição da Escravatura no Brasil, através de seus poemas, informações e objetos pessoais dele e familiares. O parque histórico tem um anexo com sala multimídia, auditório, biblioteca, infocentro, reserva técnica, refeitório e administrativo. Na área de Mata Nativa, os visitantes podem fazer trilha e visitar o Pouso de Adelaide, o Anfiteatro, a Cruz da Estrada, a Fonte e o Marco da Fazenda.

Projetos socioeducativos
Conhecendo as Nascentes; Sarau no Parque: Música, Poesia e Arte nos Finais de Tarde; Brincando no Parque como no Tempo de Nossos Avôs; Oficina de Teatro; Baú de Memórias e Sopa de Letras. Anualmente o parque também promove o Festival de Declamação de Poemas de Antônio Frederico de Castro Alves.

Fonte: Ascom/Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus/Ipac)