As 60 mulheres da Associação de Mulheres e Artesãs de Beneficiamento de Pescado de Sobradinho (Amabeps/Rede Mulher) estão expondo e comercializando os produtos derivados do peixe tilápia, na VI Feira Baiana de Agricultura Familiar e Economia Solidária (Febafes), que acontece em paralelo à 28ª edição da Feira Internacional da Agropecuária (Fenagro), até domingo (6), no Parque de Exposições, na capital baiana.

Entre as 39 variedades de produtos derivados da pesca artesanal, que são produzidos pela Rede Mulher, estão os seis tipos de linguiça, entre elas a picante, defumada, tipo churrasco e de petisco. A Rede Mulher também aproveita o couro, espinhas e escamas, para a produção de artesanatos, que geram cerca de 500 empregos, diretos e indiretos.

Segundo a pescadora Maria Aparecida Mendes – dona Cida, conhecida pela criatividade na produção de alimentos derivados da tilápia -, as mulheres associadas já conseguem perceber a transformação em suas vidas. “A Rede Mulher, além de garantir a geração de renda e a autonomia para nós mulheres, possibilita a troca de ideias, conhecimentos e experiências, traz o desenvolvimento humano e a aumento da nossa autoestima”.

O objetivo da Rede Mulher é ampliar a produção e comercializar os produtos em programas nacionais, como o de Aquisição de Alimentos (PAA), e de Alimentação Escolar (PNAE), além de especializar a mão de obra, industrializando a produção. Além da linguiça, as mulheres produzem almôndegas, hambúrguer, quibe, croquete, bolinho de tilápia, carne de peixe moída, caldo concentrado da cabeça de tilápia e a farinha de osso e da espinha, que é rica em cálcio e pode ser transformada em alimentos como panquecas e biscoitos, entre outros. Os produtos utilizam todas as partes do peixe, inclusive as que geralmente são jogadas fora e não são aproveitados pelos pescadores e pescadoras.