O Governo do Estado começou a pôr em prática as novas medidas de apoio às atividades agrícolas, nos assentamentos de reforma agrária, para melhorar a produção e a qualidade de vida aos produtores rurais. Em cerimônia, nesta quarta-feira (2), no Salão de Atos da Governador ia, no Centro Administrativo (CAB), em Salvador, a administração pública estadual firmou dois convênios com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Os convênios são destinados à implantação de uma rede, com 171 agroindústrias, e a instalação de sistemas de abastecimento de água. Para o primeiro convênio formalizado, via Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), o Incra investirá R$ 50 milhões, até dezembro de 2017, para a instalação das agroindústrias, que também terão contrapartida do Estado no valor de R$ 10 milhões. As unidades irão agregar valor às principais cadeias produtivas locais.

“Nós vamos dar um salto na reforma agrária e na produção nos assentamentos. Depende de nós fazer acontecer, e nós estamos fazendo a nossa parte. Serão quase R$ 100 milhões investidos na Bahia nesse momento de dificuldade. Não é possível pensar em qualidade na produção agrícola e na pecuária sem falar em água”, afirmou o governador Rui Costa no evento de assinatura dos convênios.

As agroindústrias permitirão, por exemplo, que alimentos – mel, cacau, leite, dendê, mandioca, entre outros – sejam transformados em produtos básicos e vendidos em grandes centros comerciais. A iniciativa beneficia mais de 20 mil famílias, que vivem em assentamentos rurais, por meio do fortalecimento das atividades em bases agroecológicas baianas.

Parque de agroindústrias

Para o secretário de Desenvolvimento Rural (SDR), Jerônimo Rodrigues, é importante criar um parque de agroindústrias garantindo mercado. Por isso, segundo o titular da pasta, os agricultores terão suporte técnico nas atividades comerciais.

“Nós temos o mercado institucional com o Pnae [Programa Nacional de Alimentação Escolar] e o PAA [Programa de Aquisição de Alimentos] e […] também queremos trabalhar para inserir as cooperativas no mercado tradicional, nas gôndolas dos mercados e nos aeroportos”, enfatizou o secretário.

Mais água para mais baianos

O segundo convênio foi assinado pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS), garantindo R$ 32 milhões para elaboração do projeto e implantação dos sistemas de abastecimento de água. O equipamento beneficiará 13 territórios de identidade, onde a água ainda é escassa.

“Vai ser ótimo para nós produtores. Atualmente cultivamos o que é possível se desenvolver sem muita água. O sistema de abastecimento vai proporcionar que, nós agricultores, passemos a cultivar outros alimentos”, afirma a agricultora familiar, Gilvanusa dos Santos Valadão, moradora da zona rural do município de Tucano.

Para o secretário de Infraestrutura Hídrica e Saneamento, Cássio Peixoto, os sistemas de abastecimento, além de garantirem o fortalecimento da produção agrícola no estado, representam melhor saúde para quem vive no campo. “Hoje um dos maiores desafios é a universalização da água. Estamos nesta luta para atender a sociedade, em [especial] o meio rural”.

Na ocasião, o governador Rui Costa também entregou as chaves de um caminhão à Associação de Produtores Orgânicos (Acpoba) e um caminhão para a Cooperativa Central Arco Sertão. Cada veículo deverá atender até mil pessoas com o transporte de mercadorias pelas estradas baianas. “Vamos poder levar alimentos frescos de cidade em cidade com maior praticidade”, afirma o produtor rural, Edílson Silva Santos, representante da Acpoba.

Repórter: Leonardo Martins

Publicada às 16h30
Atualizada às 18h30